Na TV, Dilma promete "ideias novas" e Marina diz que petista "come pela boca do marqueteiro"

quinta-feira, 2 de outubro de 2014 16:07 BRT
 

BRASÍLIA (Reuters) - No último dia de programa eleitoral obrigatório, a presidente Dilma Rousseff, que tenta a reeleição pelo PT, apostou no discurso de que um novo governo seu terá "ideias novas", enquanto Marina Silva (PSB) fez um duro ataque a petista, dizendo que ela "come pela mão do marqueteiro".

"Se os brasileiros e brasileiras me derem a confiança de um novo mandato, meu compromisso mais profundo se expressa em uma frase: 'governo novo, ideias novas'", disse a presidente no programa exibido nesta quinta-feira.

"'Governo novo com ideias novas' é manter e ampliar todas as conquistas, corrigir o que for necessário e ter capacidade para fazer o que ainda não foi feito", explicou.

Dilma já havia ensaiado parte desse discurso no início de setembro, quando questionada sobre a permanência do ministro da Fazenda, Guido Mantega, respondeu que se reeleita teria uma equipe nova.

Em outro trecho do programa, a presidente conversa com seu antecessor e mais importante cabo eleitoral, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, sobre a importância do pré-sal. Ambos criticam adversários por não conferirem a devida prioridade ao tema, na opinião deles.

Dilma ainda alfineta os rivais em outra cena da gravação exibida nesta quinta, afirmando que não apresentaram propostas concretas para um eventual governo, se eleitos.

"Muitos candidatos repetem que são a mudança, mas não dizem exatamente que mudanças irão fazer... O que eles dizem de mais concreto é que vão continuar o que estamos fazendo", afirmou.

A propaganda na TV trouxe um resumo das propostas apresentadas pela candidata até o momento, incluindo medidas sugeridas para combater a corrupção, um dos pontos mais explorados por seus adversários em meio a denúncias de suposto esquema de propina em contratos da Petrobras.

"Continuar o que está sendo feito será muito mais fácil para mim. Fazer o novo também."   Continuação...

 
Programa eleitoral exibido em TVs de restaurante nos centro do Rio de Janeiro. 21/08/2014 REUTERS/Ricardo Moraes