Vitória em MG seria boa credencial para 2º turno Dilma-Aécio, diz presidente do PT

domingo, 5 de outubro de 2014 13:04 BRT
 

(Reuters) - A possível vitória da presidente Dilma Rousseff em Minas Gerais, reduto do presidenciável tucano Aécio Neves, representaria uma boa credencial para um eventual segundo turno contra o candidato do PSDB, afirmou neste domingo o presidente nacional do PT, Rui Falcão.

Segundo Falcão, o partido tem expectativa de vitória no Estado tanto de Dilma, que tenta a reeleição, como do candidato ao governo de Minas, Fernando Pimentel (PT).

"É uma vitória importante, porque é um Estado em que um dos nossos adversários governou durante oito anos e fez um sucessor", disse o presidente petista, referindo-se a Aécio.

"Então, como a Dilma tende a ganhar lá e o nosso candidato também, acho que essa é uma boa credencial já para um segundo turno, caso haja segundo turno, e caso seja ele (Aécio) o nosso oponente", disse Falcão a jornalistas em São Paulo.

As últimas pesquisas antes da eleição deste domingo dos institutos Datafolha e Ibope mostraram uma inversão na disputa pelo segundo lugar, com Aécio aparecendo pela primeira vez com vantagem numérica sobre a candidata do PSB, Marina Silva (PSB). A situação, no entanto, ainda é de empate técnico entre os dois.

Falcão acredita que o partido consiga ainda garantir vitórias nas disputas estaduais no Piauí, Mato Grosso do Sul e Acre, terra de Marina.

Sem querer antecipar os movimentos da campanha, o presidente da sigla disse também que a estratégia será a de continuar a apresentação de propostas e reforçar realizações dos governos do PT.

"Vamos manter a apresentação das propostas novas que nós temos, fazer um retrospecto dos quatro anos de gestão (da Dilma) e também dos 12 anos Dilma-Lula em contraste com os 8 anos do PSDB, caso seja o Aécio", afirmou.

"Caso seja a Marina, vamos manter a mesma estratégia de divulgar nossas propostas e e fazer um retrospecto dos 12 anos de governo, dos quatro da Dilma, e mostrar as contradições do programa dela (Marina) e das suas idas e vindas ao longo campanha eleitoral."

(Reportagem de Maria Carolina Marcello, em Brasília)

 
Presidente Dilma Rousseff, candidata à reeleição pelo PT, após registrar seu voto em Porto Alegre. 05/10/2014 REUTERS/Edison Vara