CENÁRIOS-Derrotados, PSB e Marina podem ficar neutros no 2o turno; apoio a Aécio é opção para aliados

domingo, 5 de outubro de 2014 20:30 BRT
 

Por Jeferson Ribeiro

BRASÍLIA (Reuters) - Ainda tentando entender como a chance de disputar o segundo turno da eleição presidencial escapou entre os dedos, a candidata Marina Silva e seu partido, o PSB, ainda não têm clareza sobre o que farão no segundo turno, se ficarão neutros ou se apoiarão Aécio Neves (PSDB).

Um experiente dirigente do PSB ouvido pela Reuters avalia que Marina tende a ficar neutra e não apoiar o tucano, que deu uma arrancada na reta final da campanha para chegar ao segundo turno contra a presidente Dilma Rousseff (PT), que tenta a reeleição.

Seria uma repetição do que aconteceu em 2010, quando a ex-senadora e ambientalista também disputou a eleição presidencial, naquela ocasião pelo PV, e não apoiou no segundo turno José Serra, então candidato do PSDB, e nem Dilma, que venceu as eleições.

"Uma coisa é certa. Com o PT ela não vai de jeito nenhum. O Beto (Albuquerque, candidato a vice-presidente do PSB) também já me disse que não apoiaria o PT", disse neste domingo esse socialista, pedindo para não ter seu nome revelado.

O presidente da legenda, Roberto Amaral, disse à Reuters neste domingo que o partido terá que se debruçar sobre três possibilidades: liberar a militância, apoiar Aécio ou apoiar Dilma.

"Vou lutar pela unidade da aliança para que tenha uma posição única. E em segundo lugar vou lutar pela unidade do PSB", disse Amaral. "Nada é natural e não há tendência", acrescentou.

O outro dirigente socialista acredita que a tendência neste momento é que a militância seja liberada para apoiar quem desejar, porque há uma forte divisão no partido, que está contaminado ainda com o processo decisório sobre uma nova cúpula para o PSB.

Amaral assumiu interinamente a presidência da legenda após a morte do candidato titular do PSB ao Palácio do Planalto, Eduardo Campos, num acidente aéreo em 13 de agosto. Amaral convocou o diretório nacional para escolher um novo comando partidário no próximo dia 13.   Continuação...

 
A candidata do PSB à Presidência, Marina Silva. REUTERS/Sergio Moraes