Aécio diz que mudança venceu 1º turno e PSDB busca eleitores de Marina

segunda-feira, 6 de outubro de 2014 00:51 BRT
 

(Reuters) - O candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, comemorou sua chegada ao segundo turno da eleição contra a presidente Dilma Rousseff (PT), que tenta a reeleição, e afirmou que o sentimento da mudança venceu neste domingo.

Em pronunciamento em Belo Horizonte, capital do Estado que o elegeu duas vezes governador e uma vez senador, Aécio disse que a maioria dos votos no primeiro turno foi para candidatos que defendem a mudança em relação ao atual governo.

"A minha primeira constatação é de que esse sentimento de mudança, amplamente presente em todo o Brasil, já foi vitorioso no primeiro turno. Os candidatos de oposição somados foram vitoriosos, tiveram a maioria dos votos", disse. "E é isso que temos que buscar no segundo turno."

Com a apuração pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) praticamente concluída, Aécio e Marina Silva (PSB), que ficou em terceiro lugar, tinham juntos 57,1 milhões de votos, contra 43,3 milhões de Dilma.

"Todos aqueles que tiverem uma contribuição a dar à nossa plataforma, no nosso projeto de governo e na construção da nossa vitória, serão extremamente bem-vindos", disse o candidato, acrescentando que até o momento não fez contato com outros partidos na busca por apoio no segundo turno.

"Eu tenho enorme respeito pessoal pela ex-ministra e senadora Marina Silva, mas tanto em relação a ela quanto a outras lideranças, é preciso que nós aguardemos que cada um tome o caminho que achar mais adequado", acrescentou.

Marina disse que o PSB e os demais partidos da coligação "Unidos pelo Brasil" irão se reunir individualmente nos próximos dias para discutir os rumos do segundo turno, mas sinalizou que poderia apoiar a candidatura da oposição. [nL2N0S106E]

ACIMA DO ESPERADO   Continuação...

 
Candidato à Presidência do PSDB, Aécio Neves, discursa após resultado da eleição. O tucano disputará o segundo turno contra a pressidente Dilma Rousseff, que tenta a reeleição. REUTERS/Jackson Romanelli