ANÁLISE-Apoio de Marina não garante transferência de votos ou vitória para Aécio

terça-feira, 7 de outubro de 2014 18:02 BRT
 

Por Eduardo Simões e Maria Carolina Marcello

SÃO PAULO/BRASÍLIA (Reuters) - Um eventual apoio de Marina Silva, candidata derrotada do PSB à Presidência, ao presidenciável do PSDB, Aécio Neves, por si só não basta para garantir a transferência dos votos marineiros ao tucano e, portanto, não é suficiente para assegurar vitória ao senador mineiro no segundo turno das eleições.

Para analistas políticos ouvidos pela Reuters, não é possível quantificar a taxa de transferência de votos de Marina para Aécio com uma eventual declaração de apoio da ex-ministra à candidatura do PSDB.

"Não é assim, não é automático. Até porque, como ela não se posicionou na eleição passada, a gente não sabe qual é a sua capacidade de transferência de votos", disse o cientista político Benedito Tadeu César, do Instituto de Pesquisas e Projetos Sociais (Inpro).

Marina teve 22,1 milhões de votos na eleição de domingo, atrás da presidente Dilma Rousseff, candidata à reeleição pelo PT, que obteve 43,2 milhões de votos, e de Aécio, que ficou com 34,8 milhões.

O desempenho eleitoral de Aécio, superior ao que vinham apontando as pesquisas, animou o mercado financeiro e fez com que as ações negociadas em bolsa de valores tivessem grande valorização na segunda-feira e que a cotação do dólar ante ao real tivesse queda significativa.

A expectativa de que Marina apoie Aécio manteve o ânimo dos investidores e o movimento de forte valorização dos papéis na bolsa de valores, principalmente de estatais, e de queda do dólar se repetia nesta terça, embora em intensidade menor.

Procuradas, as campanhas petista e tucana disseram ainda não ter estimativas de qual seria a transferência de votos de Marina para Aécio, caso a candidata do PSB anuncie um apoio ao tucano.

A campanha de Aécio e o próprio candidato, aliás, têm tratado o assunto com cautela, receosos de que Marina se sinta pressionada a apoiar o tucano e decida pela neutralidade, como fez mo segundo turno da eleição de 2010.   Continuação...

 
Candidata derrotada à Presidência pelo PSB, Marina Silva dá entrevista coletiva em São Paulo. 05/10/2014. REUTERS/Nacho Doce