Dilma e Lula vão a Pernambuco para contrabalançar apoio de família Campos a Aécio

quinta-feira, 16 de outubro de 2014 19:39 BRT
 

BRASÍLIA (Reuters) - A presidente Dilma Rousseff, candidata à reeleição pelo PT, e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva irão juntos na próxima semana a Pernambuco, Estado que já foi amplamente simpático ao PT, mas que após a morte de Eduardo Campos (PSB) virou o único no Nordeste a não dar vitória à petista no primeiro turno.

A decisão da família Campos de apoiar Aécio Neves (PSDB) é incompreensível para Dilma e Lula. Eles não entendem porque passaram de amigos pessoais para a classe dos piores adversários políticos. No fim de semana, a viúva Renata e familiares declararam apoio ao adversário da petista na eleição.

Uma fonte da campanha petista disse à Reuters, sob condição de anonimato, que a presidente mantinha laços de amizade pessoal com Renata, mas que durante a disputa eleitoral e, principalmente, após a morte do ex-aliado político eles se desfizeram, surpreendendo Dilma.

A viagem de Dilma e Lula a Pernambuco, Estado onde o ex-presidente nasceu, está prevista para terça-feira, quando devem ocorrer atividades em Recife e outra cidade ainda a ser definida. Segundo a fonte, a viagem foi cercada de cuidados e receio, porque o clima com a família Campos é muito ruim.

"O Lula ligou duas vezes para a Renata depois do primeiro turno e não sentiu um clima favorável", disse a fonte.

Em Recife, surgiram até movimentos como "O PT matou Eduardo". Campos, que foi aliado do PT e ministro no governo Lula, decidiu no ano passado deixar a base governista e investir em uma candidatura ao Palácio do Planalto.

É nesse ambiente hostil que Dilma e Lula vão ao Estado para conquistar parte dos 2,3 milhões de eleitores da terceira colocada no primeiro turno, Marina Silva, que assumiu a cabeça de chapa do PSB no lugar de Campos após sua morte.

No segundo turno, Renata articulou junto com os socialistas de Pernambuco a posição formal do PSB a favor do candidato tucano, que depois o recebeu em Recife. Aécio e Eduardo também eram amigos pessoais. Mas Lula tratava Campos como seu filho na política.

  Continuação...