Brasil Supply prevê entregar 5 embarcações à Petrobras em 2015 e mais 6 até 2017

terça-feira, 18 de agosto de 2015 09:50 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - A fornecedora de soluções em petróleo e gás Brasil Supply prevê entregar à Petrobras neste ano cinco embarcações para apoio em atividades marítimas da petroleira, todas elas parte de um conjunto de contratos assinados com a petroleira estatal até 2011 para um total de 17 unidades afretadas.

As embarcações começaram a ser colocadas em operação em 2011 e deverão ser concluídas até o início de 2017, segundo o presidente da empresa, José Ricardo Roriz.

"Apesar de todos esses problemas no Brasil, não paramos, mantivemos nosso ritmo e nosso cronograma. Estamos trabalhando à toda carga no que já temos", disse o executivo, destacando que atualmente a empresa "está trabalhando rigorosamente dentro do cronograma de produção".

Segundo Roriz, a Brasil Supply investirá 600 milhões de reais para concluir a encomenda, sendo parte viabilizada por capital próprio e parte por financiamentos do Fundo de Marinha Mercante.

Até o momento, já foram entregues sete embarcações, sendo uma em junho deste ano. No final de agosto está prevista a entrada em operação de mais uma unidade, a BS Iporanga, e outras três serão entregues em setembro, outubro e novembro.

Em 2016, será a vez de mais cinco embarcações, entre as quais a PSV BS Jericoacara, com capacidade de transportar até 4,5 mil toneladas de cargas, combustível, água potável, provisionamentos e tripulação, que será colocada na água nesta terça-feira no estaleiro EISA, na Ilha do Governador, Rio de Janeiro. A embarcação passará por ajustes finais, antes da entrega à Petrobras em julho de 2016.

Atualmente, a Brasil Supply está focada na construção desses barcos, mas busca novos contratos para outras atividades, como serviços marítimos offshore, industrialização de fluidos, logística e gestão ambiental.

"Queremos otimizar e racionalizar nossas ações de modo a ser um fornecedor relevante no Brasil. Estamos atentos aos leilões (da Agência Natural de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, ANP) que estão acontecendo justamente para oferecer nossos serviços", disse Roriz.

Segundo o presidente, a empresa não foi afetada em nenhum momento pelas investigações da Polícia Federal sobre corrupção na Petrobras, a chamada Operação Lava Jato, o que permite que as obras sigam sendo executadas normalmente.   Continuação...