Chefe da Embraer na China diz que tributos pesados afetam competitividade

quarta-feira, 16 de setembro de 2015 11:09 BRT
 

PEQUIM (Reuters) - Os altos impostos de importação sobre componentes de aeronaves estão prejudicando a competitividade dos aviões montados na China por empresas estrangeiras, disse o diretor da unidade chinesa da Embraer, Guan Dongyuan, nesta quarta-feira, acrescentando que a companhia está conversando com o governo local para resolver a questão.

A taxa média de importação da China, de 3 por cento, e o imposto sobre o valor agregado, de 17 por cento, têm elevado os custos da produção de aviões de companhias estrangeiras montados localmente, disse Dongyuan.

"O custo de produção de nossos jatos executivos feitos em Harbin é 20 por cento maior do que os feitos no exterior", disse Dongyuan a jornalistas durante uma feira do setor aéreo em Pequim.

A Embraer iniciou a montagem de seus jatos regionais ERJ 145 no nordeste da China em parceria com a Harbin Aircraft Industry em meados de 2000 e mudou posteriormente para a produção de seus jatos executivos Legacy 650 em 2012.

Outras companhias estrangeiras fabricando aeronaves na China, exceto aquelas que as montam em áreas livres de impostos como a Airbus, também estão encontrando a mesma dificuldade, disse, acrescentando que nem toda cidade chinesa possui uma área livre de impostos.

Dongyuan disse ainda que muitos clientes chineses preferem comprar jatos executivos no exterior e registrá-los fora da China devido aos altos impostos.

Questionado se a Embraer pode interromper a montagem de jatos na China, Guan disse que a empresa quer "deixar o mercado tomar a decisão".

"O governo tem encorajado a produção local, mas a condição é que você não deve elevar muito a exigência", acrescentou.

A Embraer tem 80 por cento do mercado de aviação regional da China. A fabricante possui encomendas firmes de 167 jatos comerciais do mercado, dos quais 130 foram entregues.

(Por Fang Yan e Matthew Miller)