Greve de fiscais entra no 6º dia e retém 7 mil contêineres em Santos

terça-feira, 22 de setembro de 2015 18:52 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - A greve dos fiscais federais agropecuários do Brasil entrou no sexto dia nesta terça-feira, elevando os prejuízos de exportadores e importadores de produtos agropecuários e bens manufaturados, com a paralisação dos trabalhadores retendo 7 mil contêineres no porto de Santos, o principal do país.

A informação consta de nota divulgada pelo Sindicato Nacional dos Fiscais Federais Agropecuários (Anffa Sindical) nesta terça-feira.

"Em dias normais, os fiscais federais agropecuários atendem, em média, cerca de 2 mil contêineres. Com a greve, a demanda acumulou", afirmou o sindicado, referindo-se ao porto de Santos.

Associações de exportadores de cereais e de carnes afirmaram à Reuters, na última sexta-feira, que a greve estava afetando exportações.

Além de granéis, como soja, farelo de soja e milho, a paralisação afeta a movimentação de defensivos agrícolas, fertilizantes, produtos veterinários, bebidas e outros alimentos frescos e congelados, em geral.

De acordo com o sindicato, os contêineres também são retidos, ainda que não tenham cargas de origem agropecuária, porque é necessária a inspeção de paletes e embalagens de madeira de produtos da indústria automotiva, petroquímica, química, de vestuário, eletrodomésticos, entre outros.

Segundo o sindicato, a greve teve a adesão de 70 por cento da categoria.

Além dos portos, a paralisação atinge aeroportos, postos de fronteira e as atividades em frigoríficos de carnes, que não estão recebendo a emissão da certificação internacional para exportações.

Os fiscais disseram que apenas mantêm serviços essenciais para a saúde pública e a sanidade animal e vegetal.   Continuação...