Volks diz que fraude em testes de emissão de poluentes afetou 11 milhões de veículos

terça-feira, 22 de setembro de 2015 19:43 BRT
 

Por Andreas Cremer

BERLIM (Reuters) - A Volkswagen disse que o escândalo sobre fraudes nos testes de emissões de poluentes de veículos nos Estados Unidos pode ter afetado 11 milhões de carros no mundo todo, conforme as investigações sobre seus modelos a diesel se multiplicam, pressionando ainda mais o presidente-executivo Martin Winterkorn.

A Volkswagen disse que provisionará 6,5 bilhões de euros de seu resultado do terceiro trimestre para ajudar a cobrir os custos do maior escândalo em seus 78 anos de história, abrindo um buraco nas estimativas de lucros dos analistas.

A empresa também alertou que o montante pode crescer, dizendo que os carros a diesel com os motores Type EA 189 colocados em cerca de 11 milhões de modelos da Volkswagen ao redor do mundo mostraram um "desvio notável" nos níveis de emissões de poluentes entre os testes e o uso nas ruas.

A crise gerou polêmica na Alemanha, com a chanceler Angela Merkel pedindo "transparência completa" da companhia vista por muito tempo como um símbolo da excelência em engenharia do país.

A previsão era que Winterkorn tivesse seu contrato prorrogado em uma reunião do Conselho da empresa na sexta-feira, mas agora há dúvidas sobre se ele sabia que a empresa fazia uso de um software que enganava os reguladores norte-americanos na medição de emissões de poluentes de alguns de seus carros a diesel.

"Ou Winterkorn sabia dos procedimentos nos EUA ou isso não foi reportado a ele. Na primeira hipótese, ele deve se afastar imediatamente. Na segunda, alguém precisa perguntar por que uma violação tão abrangente não foi reportada ao comando da empresa e então as coisas também ficarão difíceis", disse Arndt Ellinghorst, analista da Evercore ISI.

Fontes próximas ao Conselho da Volkswagen negaram uma reportagem que dizia que a maior montadora do mundo em vendas havia adiantado uma reunião do Conselho de quarta para a tarde desta terça-feira.

O Comitê Executivo planeja se reunir na quarta-feira para discutir o escândalo dos testes de emissão e a agenda de uma reunião do Conselho completa que já havia sido marcada para a sexta-feira, disseram as fontes.   Continuação...