Suíça aprova extradição de dirigente Takkas, envolvido em escândalo da Fifa

sexta-feira, 9 de outubro de 2015 12:28 BRT
 

Por Joshua Franklin

ZURIQUE (Reuters) - A Justiça Federal da Suíça aprovou pedido de extradição aos Estados Unidos do dirigente de futebol Costas Takkas, um dos sete presos em maio em uma ação norte-americana contra um escândalo de corrupção no futebol.

Os sete são metade dos 14 dirigentes e executivos de marketing esportivos indiciados pelos Estados Unidos por subornos, lavagem de dinheiro e fraude fiscal, envolvendo mais de 150 milhões de dólares em pagamentos. Entre os presos está o ex-presidente da CBF José Maria Marin.

Takkas, cidadão britânico, possui 30 dias para recorrer contra a decisão de extradição, informou a Justiça suíça em nota.

Ele é ex-secretário-geral da Associação de Futebol das Ilhas Cayman e ligado ao presidente da Confederação de Futebol da América Central e do Norte e da Associação Caribenha de Futebol (Concacaf).

O ex-presidente da Fifa Jeffrey Webb, um dos sete dirigentes presos em Zurique, aceitou em julho a extradição para os Estados Unidos, onde se declarou inocente.

Os outros seis continuam na Suíça, embora o FOJ também tenha aprovado pedidos de extradição aos Estados Unidos para Eugenio Figueredo, Rafael Esquivel e Eduardo Li. Os três possuem intenção de apelar, disse um porta-voz da Justiça suíça.