Nova classe média brasileira passa por dificuldades com recuo da economia

segunda-feira, 12 de outubro de 2015 15:25 BRT
 

Por Asher Levine

SÃO BERNARDO DO CAMPO (Reuters) - Até pouco tempo atrás o futuro de Lucineia de Jesus de Souza parecia brilhante, dirigindo um pequeno café que atende trabalhadores de uma fábrica e outros clientes em São Bernardo do Campo, cidade industrial da região metropolitana de São Paulo.

Mas o pequeno negócio aberto há 10 anos, que floresceu com o rápido crescimento da economia do Brasil, agora vê menos clientes parando para um café ou lanche.

A renda de Lucineia caiu pela metade desde 2012, forçando a empresária de 43 anos a cortar gastos que anunciavam uma nova classe de consumidores emergentes no maior país da América Latina.

Com a economia em recessão e as incertezas sobre o trabalho de seu marido em uma fábrica de autopeças devido aos crescentes cortes de fabricantes de automóveis locais, as idas ao shopping para compra de roupas de marcas famosas estão suspensas assim como os planos de comprar eletrodomésticos.

"Foi um crescimento falso", disse ela, resumindo as perspectivas de muitos que estão desiludidos por uma promessa perdida. "As pessoas aqui estão perdendo seus empregos, elas estão fartas."

Depois de um avanço das commodities que permitiu ao Brasil programas ambiciosos de redução da pobreza e culminou em um crescimento econômico de 7,5 por cento em 2010, o Brasil está em sua pior recessão em três décadas. Durante os anos de crescimento acelerado, dezenas de milhões de brasileiros escaparam da pobreza e tornaram-se conhecidos como "a nova classe média".

Agora, eles estão lutando para segurar os ganhos duramente conquistados e estão repensando tudo, desde hábitos de consumo a lealdade política.

"Quão brilhante será o futuro?", pergunta Carlos Melo, cientista político do Insper. "Todo mundo está esperando por algum tipo de mudança, mas ninguém sabe como ela se parece ou como ela vai acontecer".   Continuação...