Lucro líquido da Ambev sobe 6% no 3º tri e vai a R$3,08 bilhões

sexta-feira, 30 de outubro de 2015 09:17 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - A fabricante de bebidas Ambev registrou lucro líquido ajustado de 3,086 bilhões de reais no terceiro trimestre, impulsionado pela alta das vendas mesmo diante de um ambiente macroeconômico desfavorável no Brasil.

O resultado representou uma alta de 6,3 por cento na comparação com o mesmo período do ano passado, informou a empresa nesta sexta-feira.

A receita líquida consolidada subiu 24,6 por cento, totalizando 10,745 bilhões de reais. A Ambev é dona de marcas como Budweiser, Stella Artois, Bohemia, Original, Skol, Brahma, Serramalte e Antarctica.

"No Brasil, apesar do ambiente macroeconômico desafiador, o volume de cerveja superou a base de comparação difícil de Copa do Mundo da Fifa 2014 e cresceu no trimestre", disse a empresa em seu relatório de resultados.

O volume de bebidas vendidas ficou estável na comparação anual, em 39,98 milhões de hectolitros, frente a 39,89 milhões no terceiro trimestre de 2014. O volume de cerveja subiu 4,2 por cento, enquanto da unidade de refrigerante caiu 10,2 por cento.

Entre as regiões de atuação da Ambev, o Brasil subiu 10,5 por cento em receitas, abaixo da média da América do Sul de 28 por cento. América Central e Caribe (CAC) teve alta de 24,8 por cento e Canadá de 3,0 por cento.

No Brasil, onde a participação de mercado da Ambev chega a 67,8 por cento, a receita líquida de cerveja cresceu 13,8 por cento, para 4,999 bilhões de reais, com alta de 3,5 por cento do volume. O avanço foi atribuído pela empresa ao "sucesso da implementação de iniciativas comerciais".

A unidade de refrigerantes e outras bebidas no Brasil teve queda de 5 por cento da receita líquida no trimestre, para 889,7 milhões de reais. A Ambev é dona de marcas como Guaraná Antáctica, H2OH!, Sukita, Gatorade, Lipton, entre outras. A companhia também fabrica e distribui a marca Pepsi no Brasil.

"Enquanto a indústria de refrigerante continuou a ser pressionada pelo ambiente macroeconômico, tivemos outro trimestre de ganho de participação de mercado, mantendo o recorde de 19,6 por cento, parcialmente compensando o declínio de um dígito alto da indústria", disse a empresa.   Continuação...