Um mundo dividido: elites se reúnem nos Alpes suíços em meio a desigualdade em ascensão

segunda-feira, 18 de janeiro de 2016 10:18 BRST
 

Por Ben Hirschler e Noah Barkin

DAVOS, Suíça (Reuters) - Os líderes empresariais e políticos reunidos nos Alpes suíços nesta semana encaram um mundo cada vez mais cindido, com os pobres ficando cada vez mais distantes dos super-ricos e um aprofundamento das divergências políticas nos Estados Unidos, na Europa e no Oriente Médio ao maior nível em décadas.

Apenas 62 pessoas, 53 dos quais homens, possuem uma riqueza equivalente a de metade de toda a população mundial, e os 1 por cento mais ricos possuem mais do que os outros 99 por cento juntos, afirmou a organização de combate à pobreza Oxfam nesta segunda-feira.

De modo significativo, a desigualdade de renda aumenta mais rápido do que o antecipado por qualquer um, com o 1 por cento mais rico superando o restante da população um ano antes do que a Oxfam havia previsto no ano passado.

A crescente desigualdade e a desconfiança cada vez maior das pessoas em relação a seus líderes políticos são os grandes desafios para a elite mundial que se reúne em Davos, na Suíça, para o anual Fórum Econômico Mundial, que acontece entre 20 e 23 de janeiro.

Mas as divisões vão muito além daquelas existentes entre ricos e pobres. No Oriente Médio, a cisão entre xiitas e sunitas chegou a um ponto crítico, com o Irã e a Arábia Saudita disputando abertamente pela influência sobre uma região assolada pela guerra e o barbarismo de extremistas islâmicos.

Os conflitos no Oriente Médio alcançaram a Europa, provocando profundos debates políticos sobre como lidar com a pior crise de refugiados desde a Segunda Guerra Mundial, e –com a ameaça da Grã-Bretanha de deixar a União Europeia– levantando dúvidas sobre o futuro do esforço de seis décadas por uma maior integração da Europa.

O surgimento de Donald Trump como líder nas pesquisas para se tornar o candidato republicano na corrida presidencial à Casa Branca expôs também uma divisão política cada vez maior nos EUA, causando ansiedade entre os aliados de Washington num momento de grande instabilidade global.

Entre as principais personalidades em Davos estarão o vice-presidente dos EUA, Joe Biden, o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, e os chanceleres tanto do Irã como da Arábia Saudita.

As celebridades também se farão presentes, incluindo as estrelas do cinema Leonardo Di Caprio e Kevin Spacey.

 
Sessão do Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça. 22/01/2015                REUTERS/Ruben Sprich