Haiti adia eleição presidencial poucos dias antes de data marcada

sexta-feira, 22 de janeiro de 2016 19:08 BRST
 

Por Frank Jack Daniel

PORTO PRÍNCIPE (Reuters) - O Haiti adiou uma eleição presidencial apoiada pelos Estados Unidos que seria realizada no domingo, após o candidato da oposição pedir um boicote, citando fraude, informou o conselho eleitoral do país nesta sexta-feira.

A postergação ocorre após uma tentativa falha de fazer com que o candidato da oposição, Jude Celestin, concordasse com uma nova data. Não houve detalhes imediatos sobre quando a eleição deve ser realizada. Um porta-voz do conselho eleitoral confirmou o adiamento.

Cerca de mil manifestantes correram e cantaram pelo distrito de Delmas, na capital Porto Príncipe, nesta sexta-feira, pedindo pelo adiamento da eleição de domingo.

Celestin, engenheiro formado na Suíça, disse que o governo não fez o suficiente para combater fraudes no primeiro turno, realizado em outubro, e chamou os planos para o segundo turno de "uma farsa".

Celestin ficou em segundo entre 54 candidatos na eleição de outubro, quase oito pontos percentuais atrás do candidato do partido governista Jovenel Moise.

Os recém-nomeados senadores do Haiti votaram quase por unanimidade nesta semana para postergar a eleição, e a Igreja Católica, grupos empresariais e observadores das eleições locais alertaram de que uma eleição sob tais condições não teria um resultado confiável.

O país de cerca de 10 milhões de habitantes luta para construir uma democracia estável desde a queda da ditadura da família Duvalier, de 1957 a 1986, e de consequentes golpes militares e fraudes eleitorais.