Comitê de ética da Fifa suspende ex-secretário-geral Valcke por 12 anos

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016 15:08 BRST
 

ZURIQUE (Reuters) - O ex-secretário-geral da Fifa Jérôme Valcke, outrora uma das figuras mais poderosas do futebol mundial, foi suspenso de todas as atividades relacionadas ao esporte por 12 anos, nesta sexta-feira, depois que uma investigação interna revelou que ele provocou danos "econômicos consideráveis" ao organsismo.

Sediada em Zurique, a Fifa demitiu Valcke em janeiro em meio a alegações de corrupção relacionadas à venda de ingressos para a Copa do Mundo de 2014, um dos vários escândalos de corrupção a atingir a entidade máxima do futebol internacional.

"Durante o curso das investigações, vários outros possíveis atos de má-conduta vieram à tona, em particular o abuso das políticas e regulamentos de gastos de viagem da Fifa, casos envolvendo temas com partes relacionadas, a venda de direitos de televisão e outras mídias e a destruição de provas", informou o comitê em um comunicado.

Valcke era um dos homens mais poderosos da Fifa e principal responsável na organização por garantir que as duas últimas edições da Copa do Mundo, na África do Sul em 2010 e no Brasil em 2014, ficassem prontas a tempo. A cobrança feita ao Brasil para acelerar os preparativos para o torneio, dizendo que o país precisava de "um chute no traseiro", teve enorme repercussão no país.

No mês passado, os membros do comitê de ética da Fifa anunciaram a abertura de procedimentos formais contra Valcke, que já tinha sido suspenso preventivamente pelo organismo. Valcke negou ter cometido qualquer ação irregular no passado.

O caso de Valcke se soma a outros escândalos de corrupção na Fifa descobertos nos últimos anos que estão sendo investigados por autoridades dos Estados Unidos e da Suíça.

No total, 41 pessoas e entidades foram indiciadas por autoridades norte-americanas por crimes de corrupção, incluindo o presidente licenciado da CBF, Marco Polo del Nero, e os ex-presidentes da entidade Ricardo Teixeira e José Maria Marin, que cumpre prisão domiciliar nos EUA.

(Por Silke Koltrowitz e Joshua Franklin)

 
Ex-secretário-geral da Fifa Jérôme Valcke. 10/06/2015 REUTERS/Maxim Zmeyev