UE e Turquia fecham acordo para devolução de imigrantes

sexta-feira, 18 de março de 2016 15:27 BRT
 

Por Humeyra Pamuk e Jan Strupczewski

BRUXELAS (Reuters) - Líderes da União Europeia finalizaram um acordo polêmico com a Turquia nesta sexta-feira cuja meta é deter o fluxo de imigrantes ilegais para a Europa em troca de recompensas financeiras e políticas para Ancara.

O acordo pretende fechar a principal rota usada por um milhão de imigrantes e refugiados no ano passado para chegar à Grécia pelo Mar Egeu antes de seguir para o norte, rumo a Alemanha e Suécia – mas ainda restam profundas dúvidas acerca da legalidade e da viabilidade do pacto.

Após uma manhã de conversas com o primeiro-ministro turco, Ahmet Davutoglu, o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, recomendou que os 28 países-membros da UE aprovassem o texto sem alterações, e estes rapidamente concordaram em se reunir para um almoço em Bruxelas.

"Acordo com a Turquia aprovado. Todos os imigrantes ilegais que chegarem à Grécia via Turquia a partir do dia 20 de março serão devolvidos!", tuitou o premiê tcheco, Bohuslav Sobotka, antes de Tusk confirmar a aprovação unânime entre o bloco e os turcos.

Conforme o entendimento, Ancara irá receber de volta todos os imigrantes ilegais que cruzarem para o território grego, incluindo sírios, e em troca a UE irá acolher milhares de refugiados sírios diretamente da Turquia e recompensá-la com mais dinheiro, a liberação antecipada de viagens sem necessidade de visto e avanços na negociação da filiação turca ao bloco.

A partir de domingo, os imigrantes que chegarem à Grécia estarão sujeitos a serem mandados de volta à Turquia depois de serem registrados e seus pedidos de asilo serem processados. Uma autoridade turca de alto escalão disse que as devoluções irão começar em 4 de abril e que o reassentamento de refugiados sírios na Europa irá começar simultaneamente.

A UE também concordou em acelerar o desembolso dos 3 bilhões de euros já prometidos em apoio aos refugiados na Turquia e em providenciar outros 3 bilhões de euros até 2018 assim que Ancara elaborar uma lista de projetos que se qualificam para receber assistência do bloco.

(Reportagem adicional de Renee Maltezou, Robin Emmott, Paul Taylor, Gabriela Baczynska, Julia Fioretti, Jan Strupczewski e Elizabeth Pineau em Bruxelas e Ayla Jean Yackley em Istambul)

 
Manifestantes protestam contra acordo entre UE e Turquia em Madri.  16/3/2016. REUTERS/Susana Vera