Sauditas avançam em guerra por mercado de petróleo da Ásia com venda à vista

quarta-feira, 27 de abril de 2016 12:06 BRT
 

CINGAPURA (Reuters) - A venda pela Arábia Saudita de petróleo à vista para uma refinaria independente chinesa marcou uma nova fase na guerra pelo domínio de territórios no mercado de petróleo da Ásia e enviou uma forte mensagem aos rivais Rússia e Irã: a luta por participação no mercado está ativa.

A estatal Saudi Aramco, maior exportadora de petróleo do mundo, vendeu neste mês 730 mil barris de petróleo para entrega em junho para a refinaria chinesa Shandong Chambroad Petrochemicals, uma das cerca de 20 refinarias independentes apelidadas de "teapots". Essa é a primeira vez que uma venda "spot" da Aramco vai para uma "teapot".

Normalmente a Aramco vende petróleo por meio de contratos de um ano ou mais, e sob um preço de venda oficial (OSP, na sigla em inglês), em vez de no mercado à vista.

Embora tenha ocasionalmente vendido cargas pontuais, por exemplo, para refinadores europeus e indianos, esta é a primeira vez que a empresa vende no mercado à vista para uma refinaria chinesa não-estatal.

"Os sauditas estão mostrando maior flexibilidade, essencialmente, a fim de explorar esse mercado na luta por participação de mercado. Isso aponta para uma estratégia de marketing mais criativa e menos rígida", disse a analista da Energy Aspects em Singapura, Virendra Chauhan.

(Por Henning Gloystein e Florence Tan; reportagem adicional de Chen Aizhu em Pequim, Keith Wallis em Cingapura e Nidhi Verma em Nova Délhi)