Obama enfatiza progresso climático antes de partir para cúpula do G20

quinta-feira, 1 de setembro de 2016 12:08 BRT
 

Por Roberta Rampton

HONOLULU (Reuters) - Preservar a natureza irá ajudar o mundo a se adaptar ao aumento das temperaturas, disse o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, na quarta-feira, início de uma viagem de 10 dias durante a qual irá enfatizar a urgência de se conter a mudança climática e participar da cúpula do G20 na China.

"Nenhuma nação, nem mesmo uma tão poderosa quanto os Estados Unidos, está imune a um clima em transformação", afirmou Obama depois de pousar no Havaí, Estado norte-americano no Oceano Pacífico onde cresceu.

Obama, que corre para consolidar seu legado climático antes de terminar seu mandato em 20 de janeiro, fará uma visita rara nesta quinta-feira ao Atol Midway, no Monumento Nacional Marinho Papahānaumokuākea.

A turnê antecede um encontro na China no sábado com o presidente chinês, Xi Jinping, que sedia a cúpula do grupo da principais economias do mundo.

Obama e Xi trabalharam em conjunto para concretizar um acordo global de corte de emissões de carbono na cúpula climática de Paris no ano passado, e devem dar os próximos passos em breve para ajudar a colocar o acordo em vigor.

A estudante havaiana Narrissa Spies disse torcer para que a viagem de Obama a Midway o inspire. Spies, de 34 anos, foi ao local em 2010 para uma visita de estudos marinhos que "mudou sua vida".

"Vi o que meus ancestrais devem ter visto nas principais ilhas havaianas 200 anos atrás", disse ela, que é candidata a um doutorado e atualmente estuda a resistência dos corais a estresses como o aquecimento das águas.

Ainda na quarta-feira, Obama fez uma parada para uma reunião sobre a saúde do Lago Tahoe, um lago alpino profundo situado nas montanhas de Sierra Nevada, na fronteira entre Nevada e a Califórnia, cuja temperatura de superfície média atingiu seu recorde histórico no ano passado.

(Reportagem adicional de Timothy Gardner, David Morgan e Jeff Mason)

 
Obama desembarca do Air Force One no Havaí. 31/08/2016 REUTERS/Jonathan Ernst