Chefe de direitos humanos da ONU diz que Trump e outros políticos alimentam preconceitos

terça-feira, 6 de setembro de 2016 10:31 BRT
 

HAIA (Reuters) - O mais alto representante de direitos humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) acusou o candidato presidencial republicano dos Estados Unidos, Donald Trump, de disseminar "preconceitos raciais e religiosos humilhantes" e alertou para o crescimento de políticas populistas que podem se tornar violentas.

Nos comentários feitos durante uma conferência de segurança e justiça, na segunda-feira, o alto comissário da ONU para os Direitos Humanos, Zeid Ra'ad Al Hussein, disse estar se dirigindo ao líder holandês de extrema direita Geert Wilders e a outros "populistas, demagogos e fantasistas políticos".

Mencionando Trump, o britânico Nigel Farage e a francesa Marine Le Pen, Al Hussein os acusou de usar táticas de "medo" parecidas com as do Estado Islâmico, também conhecido como Daesh.

"Não se iludam, eu certamente não igualo as ações de demagogos nacionalistas àquelas do Daesh", disse. "Mas em sua forma de comunicação, seu uso de meias verdades e de simplificações grosseiras, a propaganda do Daesh usa táticas semelhantes àquelas dos populistas".

Em um tuíte, Wilders chamou Zeid de "idiota", e em outra ocasião classificou sua plataforma eleitoral para uma eleição de março de 2017, que pede um veto a imigrantes muçulmanos, o fechamento das mesquitas e a proibição do Alcorão, de "grotesca".

"A ONU é grotesca", respondeu Wilders. "Vamos nos livrar destes burocratas".

Mas Zeid afirmou que a retórica de Wilders pode ter consequências terríveis.

"A história talvez tenha ensinado ao senhor Wilders e à sua laia com que eficiência a xenofobia e a intolerância podem ser transformadas em armas", disse. "A atmosfera ficará carregada de ódio; neste ponto pode desandar rapidamente para uma violência colossal", alertou.

(Por Anthony Deutsch)

 
Candidato republicano à Presidência dos EUA, Donald Trump. 05/09/2016  REUTERS/Mike Segar