"França não está à venda", diz líder de extrema direita Le Pen

domingo, 18 de setembro de 2016 13:38 BRT
 

Por Ingrid Melander

FREJUS, França (Reuters) - "A França não está à venda", disse a líder do Partido Frente Nacional, Marine Le Pen, a seus apoiadores no domingo, ao lançar sua campanha para as eleições presidenciais de 2017 com a promessa de defender a soberania nacional se for eleita. 

Pesquisas de opinião prevêem há meses que Le Pen, cujo partido de extrema direita se opõe a imigração e à União Europeia, deve chegar ao segundo turno das eleições, mas deve perder a decisão para outro candidato. 

Auto-declarada como "a candidata do povo", Le Pen insistiu durante seu discurso na ideia de que "a França não está mais nas mãos dos franceses". 

"A eleição de 2017 é uma escolha difícil entre, de um lado a França - sua soberania, identidade, valores e sua prosperidade - e, de outro lado, um país que não reconhecemos mais, que se tornou estrangeiro para nós", disse Le Pen a um público de cerca de 6.500 pessoas que cantava "Nós venceremos!"

O público vaiou uma menção às supostas ordens que Paris recebe de "Berlim, Bruxelas e Washington", e Le Pen elogiou os eleitores britânicos que votaram em junho para deixar a União Europeia, dizendo que não podia esperar para que a França fizesse o mesmo. 

Com isso, o público vibrou e cantou o lema principal do partido "On est chez nous!" (Estamos em casa!) 

Le Pen dedicou muito de seu discurso para criticar duramente a imigração e os "hábitos político-religiosos vindos de fora" - uma referência velada aos muçulmanos - mas sem mencionar o Islã ou os islâmicos. 

(Reportagem adicional de Jean-Francois Rosnoblet)