Blue Origin faz teste bem-sucedido de lançamento de cápsula espacial

quarta-feira, 5 de outubro de 2016 15:20 BRT
 

(Reuters) - Um foguete da empresa espacial Blue Origin, do bilionário Jeff Bezos, decolou do Estado norte-americano do Texas nesta quarta-feira e então, inesperadamente, pousou intacto após a cápsula que vai abrigar uma tripulação cair de paraquedas no solo do deserto, em um teste bem-sucedido dos sistemas de segurança.

Os engenheiros da Blue Origin esperavam que o escapamento do motor da cápsula estivesse em chamas o que faria o foguete New Shepard se desligar e explodir em uma enorme bola de fogo no deserto.

No entanto, o teste foi bem sucedido e marcou um importante avanço para a Blue Origin. Bezos, fundador da empresa de comércio eletrônico Amazon.com, disse que até 2018 a empresa espacial poderá começar a transportar passageiros para mais de 100 quilômetros acima da Terra, alto o suficiente para vivenciar alguns minutos de ausência de gravidade e ver o planeta no espaço.

Apesar do retorno bem sucedido, os dias de voo do foguete acabaram. O presidente da Blue Origin, Rob Meyerson, disse na semana passada que se o propulsor sobrevivesse ganharia uma festa de aposentadoria e seria colocado em um museu.

A Blue Origin planeja construir seis veículos New Shepard. O primeiro deles foi destruído no teste de estreia em abril de 2015.

A empresa ainda não definiu um preço para as viagens especiais. A rival Virgin Galactic está vendendo passagens para um voo com seis passageiros e dois pilotos, na nave SpaceShipTwo, por 250 mil dólares cada.

Bezos disse que investiu mais de 500 milhões de dólares na Blue Origin e que ele vai continuar a bancar as contas da empresa pelo tempo que for necessário.

A Blue Origin está trabalhando em um grande foguete orbital, chamado New Glenn, que vai competir com a SpaceX e outras empresas no mercado de lançamentos de satélites e serviços de transporte de seres humanos no espaço.

Diferente do bilionário Elon Musk, da SpaceX, que quer colonizar Marte, a visão Bezos é colocar indústrias pesadas e intensivas em energia em órbita para preservar a Terra para a vida humana.

(Por Irene Klotz)