Turquia ordena detenção de 166 policiais em operação de repressão pós-golpe

sexta-feira, 7 de outubro de 2016 11:15 BRT
 

ISTAMBUL (Reuters) - Autoridades da Turquia detiveram 166 policiais nesta sexta-feira e emitiram mandados de prisão para outros 46, segundo a mídia local, ampliando uma operação de repressão de alcance nacional lançada após um golpe de Estado fracassado em julho.

A operação se concentrou na sede da polícia de Istambul, mas batidas simultâneas foram realizadas em 35 províncias visando pessoas que usaram um aplicativo de mensagens pouco conhecido chamado ByLock, informou a agência estatal de notícias Anadolu.

O presidente turco, Tayyip Erdogan, atribui a tentativa de golpe a seguidores do clérigo Fethullah Gulen, um ex-aliado que se tornou seu inimigo. Gullen, que mora nos Estados Unidos há tempos, nega qualquer envolvimento.

A agência de notícias Dogan disse que todos os detidos ou procurados são funcionários da polícia, incluindo 13 chefes, 114 policiais graduados e 39 policiais comuns.

Cerca de 32 mil pessoas já foram presas e aguardam julgamento como parte da operação de repressão pós-golpe, e cerca de 100 mil membros dos serviços civil e de segurança, professores universitários e outros profissionais foram demitidos ou suspensos do trabalho.

Os aliados ocidentais da Turquia na União Europeia e na Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) expressaram temores de que pessoas inocentes podem estar sendo vitimadas pelas investigações, que críticos vêm descrevendo como um expurgo.

O Conselho da Europa, organização de defesa da lei e dos direitos humanos sediada em Estrasburgo, pediu que Ancara suspenda seu estado de emergência, imposto dias depois do golpe e ampliado por mais 90 dias nesta semana.

(Reportagem adicional de Gilbert Reilhac, em Estrasburgo)

 
Policial turco visto em Ancara.     05/08/2016               REUTERS/Umit Bektas - RTSL6LJ