18 de Maio de 2012 / às 22:04 / em 5 anos

Resgate do Costa Concordia será a maior operação do gênero

O petroleiro Magic Duba e a plataforma marítima Meloria são vistos durante operação de retirada de combustível do navio de cruzeiro Costa Concordia (esquerda), que encalhou e tombou em janeiro na região da ilha de Giglio, costa oeste da Itália. 24/02/2012Giampiero Sposito

Por Catherine Hornby

ROMA, 18 Mai (Reuters) - Equipes de resgate usarão guindastes gigantes e tanques de ar para trazer à tona o semissubmerso navio de passageiros Costa Concordia, encalhado junto a uma ilha italiana, naquela que será a maior operação do gênero já realizada, segundo um plano divulgado na sexta-feira.

Estimada em pelo menos 300 milhões de dólares, a operação deve começar dentro de alguns dias e durar cerca de um ano, segundo a empresa operadora do navio, a Costa Cruzeiros, subsidiária da Carnival Corp. & Plc.

O navio de 290 metros tombou em 13 de janeiro após bater em rochedos da ilha de Giglio, na costa toscana. O acidente deixou 30 mortos e 2 desaparecidos. O capitão Francesco Schettino foi acusado de ter provocado o naufrágio ao levar o transatlântico para perto demais da ilha, a fim de saudar a população. Ele foi indiciado por homicídio e por abandonar o barco antes do resgate de todos os 4.200 passageiros e tripulantes.

Representantes da empresa norte-americana Titan Salvage e da italiana Micoperi, escolhidas para realizar a remoção, disseram em entrevista coletiva que estão confiantes no sucesso dos planos, embora eles nunca tenham sido testados numa embarcação desse tamanho.

"Essa será a maior reflotação da história, mas achamos que é inteiramente possível", disse Richard Habib, presidente da Titan Salvage, empresa pertencente ao grupo Crowley Maritime Corp.

O diretor da Agência de Proteção Civil da Itália, Franco Gabrielli, disse que o barco será estabilizado até o final de agosto para evitar que ele escorregue por uma escarpa submarina e caia nas águas profundas de uma reserva marinha dos arredores.

Dois guindastes presos a uma plataforma subterrânea instalada ao lado do navio de 114,5 mil toneladas irão endireitar o Concordia, e grandes tanques cheios de água serão instalados na parte emersa.

Quando o barco estiver "de pé", tanques serão instalados também no outro lado do casco, e então todos os tanques serão esvaziados e enchidos de ar para trazer o navio à superfície.

Silvio Bartolotti, diretor da Micoperi, disse que o navio deve estar de volta à superfície até fevereiro de 2013. Ele será então rebocado até um porto italiano e desmanchado. O porto de Livorno foi escolhido porque a geração de empregos será uma forma de indenizar a região da Toscana, segundo o presidente regional, Enrico Rossi.

Cerca de 2.300 toneladas de combustível foram retiradas em março, evitando um desastre ambiental.

Gianni Onorato, presidente da Costa Cruzeiros, disse que a proteção ambiental durante a operação e as garantias ao turismo local serão prioridades. Depois que o barco for retirado, os detritos serão limpos do leito marinho, e haverá um trabalho de restauração da flora submarina.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below