Governo adota medidas de estímulo em pacote de R$2,7 bi

segunda-feira, 21 de maio de 2012 22:26 BRT
 

Por Luciana Otoni e Tiago Pariz

BRASÍLIA, 21 Mai (Reuters) - Com o objetivo de garantir mais estímulo à economia brasileira, o governo anunciou nesta segunda-feira medidas para incentivar os setores automotivo e de bens de capital, além do consumo em geral.

A renúncia fiscal é estimada em 2,1 bilhões de reais até agosto, além de um dispêndio de 619 milhões de reais pelo governo para subsidiar juros menores do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

O pacote também prevê acordo com os bancos, na redução de juros e aumentos nos prazos de financiamento, e com as montadoras, que prometeram reduzir temporariamente os preços dos veículos.

Entre outros, foram anunciadas reduções das alíquotas do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para veículos e juros menores em linhas do BNDES voltadas a bens de capital.

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, anunciou ainda a redução da alíquota do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) de 2,5 para 1,5 por cento nas operações de crédito voltadas a pessoas físicas.

COMPULSÓRIO

O BC alterou regras do recolhimento compulsório (depósito efetuado obrigatoriamente pelos bancos ao Banco Central) sobre recursos a prazo para liberar 18 bilhões de reais, que podem ser destinados pelas instituições financeiras em operações de crédito para a aquisição de automóveis e veículos leves.

O diretor de Política Monetária do BC, Aldo Mendes, afirmou que a parcela que as instituições poderiam abater dos depósitos compulsórios para operações com contratos de Depósito Interfinanceiro (DI) será destinada à geração de financiamento automotivo.   Continuação...

 
O ministro da Fazenda, Guido Mantega, fala durante uma coletiva de imprensa em Brasília, 1º de março de 2012. REUTERS/Ueslei Marcelino