22 de Maio de 2012 / às 15:07 / 5 anos atrás

Mantega: crescimento econômico começou em maio

Ministro da Fazenda, Guido Mantega, participa de cerimônia de anúncio de novas medidas do plano "Brasil Maior". Mantega disse nesta terça-feira que a economia brasileira começou a crescer mais neste mês e voltou a dizer que a expansão não deve ser de 4,5 por cento neste ano, como previsto antes. Foto de arquivo. 03/04/2012 REUTERS/Ueslei Marcelino

BRASÍLIA, 22 Mai (Reuters) - O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse nesta terça-feira que a economia brasileira começou a crescer mais neste mês e voltou a dizer que a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) não será de 4,5 por cento neste ano, como previsto antes.

“O crescimento do primeiro trimestre veio aquém do que esperávamos. Continuamos trabalhando com a certeza de que a economia vai crescer, talvez não os 4,5 por cento (projetados antes)”, afirmou ele. “Esse crescimento começa em maio e todas as medidas tomadas vão surtindo efeito.”

Para fazer a economia crescer mais, o governo anunciou na noite desta segunda-feira um pacote de 2,7 bilhões de reais para incentivar o setor automotivo e de bens de capital.

Mantega, qua participa de audiência pública no Congresso Nacional para discutir as novas regras para o rendimento da poupança, disse que, mesmo com as medidas já adotadas pelo governo para estimular a economia brasileira, a inadimplência no país não fugirár do controle.

Ele adiantou que estão sendo analisadas medidas para reestruturar a inadimplência no mercado de crédito, sem dar mais detalhes. Segundo o ministro, os atrasos em pagamentos cresceram de 2011 para 2012, mas que há mecanismos para reduzi-los, como a liberação de mais crédito.

“Temos como reduzir essa inadimplência com nova liberação de crédito, reduzir custo financeiro. Temos mecanismos para reestruturar essa inadimplência. Pensamos em medidas que permitam isso”, afirmou o ministro.

Apesar dos esforços, Mantega reconheceu que é difícil aumentar a competição no setor financeiro brasileiro por ser muito concentrado, mas que os bancos públicos continuarão reduzindo os spreads bancários -diferença entre o custo de captação dos bancos e a taxa efetivamente cobrada ao consumidor final.

Sobre o câmbio, o ministro disse que o governo tem o desafio de manter o câmbio “favorável” porque é importante para a competitvidade do Brasil. “O câmbio já se encontra numa situação mais favorável para a competitividade do Brasil”, acrescentou ele.

Reportagem de Luciana Otoni; Texto de Patrícia Duarte

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below