Distribuidores de aço plano mantêm expectativas após pacote

terça-feira, 22 de maio de 2012 15:55 BRT
 

SÃO PAULO, 22 Mai (Reuters) - O setor distribuidor de aço plano no Brasil mantém projeções de elevar suas vendas em 6 por cento em 2012 depois que o governo anúnciou na véspera pacote de estímulo à economia contemplando setor de veículos e de máquinas e equipamentos, principais consumidores do insumo no país.

"As medidas definitivamente são pró-consumo de aço. Tínhamos um quadro antes que melhorou depois das medidas (...) Até ontem acreditávamos que o crescimento de 6 por cento seria impossível, mas com as medidas não ficou tão distante", disse o presidente do Instituto Nacional dos Distribuidores de Aço (Inda), Carlos Loureiro.

Segundo ele, a entidade poderá fazer em junho uma reavaliação da projeção de vendas em 2012.

Na segunda-feira o governo anunciou pacote de estímulo que prevê renúncia fiscal de 2,1 bilhões de reais até agosto. Os termos incluíram corte de alíquotas do Impostos sobre Produtos Industrializados (IPI) para veículos e juros menores em linhas de financiamento do BNDES para bens de capital .

De janeiro a abril, o setor distribuidor de aço acumula queda de 1,6 por cento nas vendas, para 1,424 milhão de toneladas, segundo o Inda. No mesmo intervalo, a indústria automotiva, responsável por 30 por cento do consumo de aço do país, amargou uma queda de 10 por cento na produção.

Segundo Loureiro, apesar da valorização do dólar contra o real dos últimos meses, que dificulta importações, as usinas siderúrgicas, que achataram seus preços nos últimos trimestres para combater a entrada de material externo no país, ainda não sinalizaram com eventuais reajustes para os próximos meses.

"O mercado ainda tem muita sobra de material. Qualquer aumento que as usinas façam vai demorar para ser repassado para os clientes (consumidores de aço)", disse Loureiro, acrescentando que o impacto da cotação do dólar a 2 reais nas importações deve ser sentido apenas nos próximos meses.

O setor distribuidor de aço plano encerrou abril com estoques de 1,018 milhão de toneladas de aço, alta de 0,2 por cento sobre abril, mas queda de 17 por cento sobre um ano antes. O volume é equivalente a cerca de 3 meses de vendas, acima dos 2,8 meses do início do ano.

Na sexta-feira, o Instituto Aço Brasil (IABr), entidade que representa as siderúrgicas do país, divulgou que as importações de aço no Brasil de janeiro a abril acumulam alta de 16,5 por cento sobre o mesmo período do ano passado .

Para maio, a expectativa do Inda é que os distribuidores elevarão suas compras e vendas de aço em 5 por cento sobre abril, que foram de 346,8 mil e 344,8 mil toneladas, respectivamente.

(Por Alberto Alerigi Jr.)