Dilma diz que governo seguirá estimulando consumo

quarta-feira, 13 de junho de 2012 18:01 BRT
 

RIO DE JANEIRO, 13 Jun (Reuters) - A presidente Dilma Rousseff disse nesta quarta-feira que o governo continuará atuando para ampliar o mercado de consumo para incluir "milhões de brasileiros" que ainda estão afastados dele.

Em discurso durante a cerimônia de assinatura de financiamento do Banco do Brasil para o Estado do Rio de Janeiro, a presidente disse ainda que o mercado de crédito ainda é muito incipiente e voltou a defender uma redução das taxas de juros.

"Vamos continuar ampliando o consumo da população brasileira sim. E mais. Esse mercado (interno) é um mercado ainda incipiente do ponto de vista de crédito", disse Dilma.

A presidente rebateu críticas às medidas de estímulo ao consumo anunciadas recentemente, como a redução da carga tributária para o setor automotivo, e afirmou que seu governo continuará adotando medidas "anticíclicas" diante da atual crise econômica internacional.

"Tinha e tem um consumo reprimido. A mim espanta aqueles que dizem que o momento do consumo no Brasil passou. Ora, como pode ter passado se esse país tem uma demanda reprimida?", questionou.

"“O governo fará o possível e o impossível para ter ação anticíclica em relação à crise internacional", acrescentou Dilma, que voltou a afirmar que o país está bem posicionado para enfrentar as turbulências.

"Vivemos hoje em uma conjuntura em que o mundo está passando por umas das grandes turbulências econômicas e financeiras dos últimos tempos. Hoje temos autonomia para enfrentar este momento e esta conjuntura de crise internacional", garantiu.

Assim como havia feito na véspera, Dilma voltou a defender a queda nas taxas de juros do país e reafirmou que não existem razões técnicas para manter os juros nos níveis que têm sido registrados nos últimos anos.

Ao lembrar que o Rio de Janeiro recebe a Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, Dilma fez uma defesa do desenvolvimento brasileiro e disse que ele não pode levar em conta somente o Produto Interno Bruto (PIB).   Continuação...

 
(Esquerda-direita) A presidente, Dilma Rousseff, a ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, e a ministra do Meio-Ambiente, Izabella Teixeira, comparecem à abertura do Pavilhão Brasil do Rio+20, 13 de junho de 2012. REUTERS/Sérgio Moraes