June 22, 2012 / 10:09 PM / 5 years ago

REPERCUSSÃO-Rio+20 divide opiniões entre consenso e fracasso

6 Min, DE LEITURA

RIO DE JANEIRO, 22 Jun (Reuters) - A Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, chega ao fim nesta sexta-feira, abalada pela crise econômica que atinge diversos países e pela falta de consenso entre as nações para adotar medidas mais ousadas.

Organizações não-governamentais e algumas delegações, principalmente da Europa, criticaram a falta de ambição do texto, que foi fechado pela diplomacia brasileira e considerado pela presidente Dilma Rousseff uma vitória do Brasil.

A seguir, veja reações ao documento:

Presidente Dilma Rousseff:

"Um documento de conferência sobre meio ambiente, sobre desenvolvimento sustentável, biodiversidade, a erradicação da pobreza, necessariamente, é um ponto de partida, porque é até onde as nações chegaram em seu conjunto. O que nós temos que exigir é que a partir desse momento as nações avancem. O que nós não podemos conceber é que alguém fique aquém dessa posição. Além dessa posição todos podem ir, todos devem ir."

KUMI NAIDOO, DIRETOR-EXECUTIVO DO GREENPEACE INTERNACIONAL:

"A Rio+20 foi um fracasso de proporções épicas. Agora temos que trabalhar juntos para formar um movimento que consiga enfrentar as crises ecológica, econômica e de igualdade que estão recaindo sobre nossos filhos. O único resultado desta conferência é uma raiva justificável, uma raiva que temos de transformar em ação."

Izabella Teixeira, Ministra Do Meio Ambiente:

"Muito se falou aqui sobre ambição, mas pouco se colocou sobre a mesa. Não se pode exigir ação se não há ambição de financiamento. Quem exige e não põe dinheiro está sendo incoerente. É fácil dizer que é pouco ambicioso, mas ninguém se sentou à mesa para botar dinheiro adicional."

andré corrêa Do Lago, Negociador Do Brasil Na Rio+20:

"Chamamos atenção para coisas que foram deixadas em segundo lugar em anos recentes em função da crise e acentuamos que temos que planejar o futuro da humanidade e não apenas reagir às crises... Mas, graças às crises, houve consenso de que o mundo precisar mudar."

CARLOS NOBRE, SECRETÁRIO DE POLÍTICAS E PROGRAMAS DO MINISTÉRIO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA:

"Ao documento final falta audácia, falta compromissos mais concretos. Foi o possível dentro do sistema multilateral da ONU e ele (documento) coloca uma pressão cada vez maior nos governos... É difícil imaginar um grande acordo em que toda essa equação complexa seja resolvida."

Sha Zukang, secretário-Geral Da Rio+20

"Dizíamos que a Rio+20 é sobre implementação, sobre ação, é sobre ação concreta. E os compromissos que nós dividimos com vocês hoje demonstram que governos, o sistema das Nações Unidas e os nove grandes grupos estão comprometidos e sérios sobre implementação".

Hillary Clinton, secretária De Estado Dos Eua

"Governos sozinhos não podem resolver todos os problemas que enfrentamos, da mudança climática à pobreza persistente e à escassez crônica de energia."

Kir Vaughan, Coordenador De mudanças climáticas Da Care

"Os líderes mundiais não vieram ao Rio preparados, e fracassaram em fornecer qualquer visão clara ou soluções para erradicar a pobreza e conter a degradação ambiental. Hoje, vimos 20 anos serem perdidos. Em 1992, os líderes mundiais foram mais inovadores, determinados e visionários. Mas hoje os desafios são ainda maiores."

Jan Egeland, Vice-Diretor-Executivo Da Human Rights Watch

"Os países do G77, a Santa Sé e o Canadá formaram uma vergonhosa aliança contra compromissos com os direitos humanos, e foram ocasionalmente auxiliados pelos EUA. Apesar da oposição, a linguagem dos direitos sobreviveu no documento resultante -- mas ela não vai longe o suficiente", disse Egeland em referência à menção do texto a "saúde reprodutiva", em vez de "direitos reprodutivos", como proposto por entidades de defesa dos direitos das mulheres.

JEAN-GUY CARRIER, SECRETÁRIO-GERAL DA CÂMERA INTERNACIONAL DE COMÉRCIO

"A Rio+20 se dispôs a oferecer uma visão para implementar o desenvolvimento sustentável, e a meta foi alcançada. Todos nós --empresas, governos, sociedade civil-- agora temos um maior desafio, mas também uma oportunidade histórica e a responsabilidade de levar essa visão adiante, ao reformar nossas práticas e ampliar os esforços para nos adaptarmos ao século 21, tornando a sustentabilidade regra em todas as áreas das nossas vidas."

STEPHEN KRETZMANN, DIRETOR-EXECUTIVO DA OIL CHANGE INTERNATIONAL

"Ao citar progressos onde nenhum (progresso) foi alcançado rumo a nos livrarmos dos subsídios aos combustíveis fósseis, os líderes mundiais estão manipulando a contabilidade e cozinhando o planeta. Eles estão ignorando o clamor global para que parem de financiar a mudança climática, livrando-se dos subsídios aos combustíveis fósseis, em vez de optar por não fazer nada e apontar para os compromissos existentes que não significam nada. Os líderes precisam ouvir as pessoas e financiar o futuro, não os fósseis."

ALEX ROGERS, PROGRAMA INTERNACIONAL SOBRE O ESTADO DOS OCEANOS (IPSO)

"Nunca haverá o futuro que queremos sem o oceano que precisamos. Temos de usar a Rio+20 para traçar um limite para os discursos e começar a fazer. Essas decisões são todas medidas urgentes, importantes e definitivas, que poderiam ser imediatamente implementadas por governos como uma resposta direta ao texto sobre os oceanos."

Reportagem de Maria Pia Palermo e Rodrigo Viga Gaier, no Rio de Janeiro; e de Bruno Marfinati, em São Paulo

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below