Light quer fechar R$2,7 bilhões em investimentos neste ciclo

quarta-feira, 4 de julho de 2012 12:49 BRT
 

SÃO PAULO, 4 Jul (Reuters) - A distribuidora de energia Light espera investir cerca de 2,7 bilhões de reais até o final do segundo ciclo para que este valor seja considerado na base de remuneração do terceiro ciclo de revisão tarifária, disse nesta quarta-feira o diretor financeiro da companhia, João Batista Zolini.

Segundo o executivo, "2,7 bilhões de reais é o total do investimento que estamos fazendo em todo o ciclo desde 2008 a 2012 em distribuição... claro que o melhor dos mundos seria ter os 2,7 bilhões somados na base", disse a jornalistas ao se referir à expectativa de que a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) considere todo esse investimento para calcular a tarifa do terceiro ciclo.

A Light passará pelo terceiro ciclo de revisão tarifária em novembro de 2013 e está se preparando há pelo menos dois anos para que todo o investimento realizado seja considerado pela Aneel na base de remuneração.

Entre as ações que estão sendo realizadas, a Light está treinando funcionários para a correta contabilização e lançamento dos dados referentes aos investimentos que estão sendo feitos.

Além disso, a empresa já está em contato com a Aneel, está realizando simulações sobre a base de remuneração a cada semestre, e fazendo a contabilização dos ativos por meio de georeferenciamento. A expectativa é de que o georeferenciamento seja concluído até dezembro desde ano.

A Light já investiu 2 bilhões de reais desde 2008 até agora, e pretende investir mais 700 milhões de reais até o final do ano. Segundo Zolini, para que o investimento possa ser considerado na base de remuneração do terceiro ciclo de revisão tarifária, devem ser concluídos até no máximo o início do ano que vem.

RESULTADOS

A Light vai registrar queda nas despesas financeiras no resultado do segundo trimestre diante da redução da taxa de juros. Cerca de 72 por cento da dívida da empresa é ajustada pela CDI e Selic e 27,6 por cento por TJPL.

"Foi ótimo para nós e já impactou no segundo trimestre...Como a dívida não aumentou e o custo dela caiu, vamos ter uma redução na despesa financeira, na despesa de juros", disse Zolini.   Continuação...