Suspensão de áreas de petróleo esvazia venda da Vale

sexta-feira, 13 de julho de 2012 16:00 BRT
 

Por Sabrina Lorenzi

RIO DE JANEIRO, 13 Jul (Reuters) - A indefinição do governo brasileiro quanto à exploração petrolífera em áreas próximas a reservas consideradas santuários ecológicos esvazia a venda de ativos da Vale, segundo fontes do setor.

A mineradora indicou recentemente que quer se desfazer de alguns blocos, mas três concessões de áreas exploratórias com participação da maior produtora de minério de ferro do mundo estão suspensas.

Os blocos ES-M-411, ES-M-436 e ES-M-437, operados pela Petrobras em parceria com Vale e Shell em uma área com potencial para gás e petróleo, estão suspensos por falta de licenciamento ambiental, informou à Reuters a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

O Ibama, responsável pelo licenciamento, disse que não há decisão sobre os blocos, apesar de o contrato de concessão dos blocos ter sido assinado há seis anos.

"O processo de licenciamento da perfuração (das áreas) está em andamento regular no Ibama. No entanto, é um processo delicado por se tratar de exploração em área ambientalmente sensível, próxima à costa, com diversos fatores de vulnerabilidade à atividade petrolífera", informou o órgão ambiental em nota à Reuters.

A mineradora informou no começo deste ano que colocaria à venda seus ativos de petróleo e gás, para se desfazer de empreendimentos que fogem às suas atividades principais de mineração. Mas, no final de junho, a empresa disse que decidiu remodelar a venda para manter blocos com potencial de gás com a justificativa de que precisa de energia própria para realizar suas atividades.

A Vale informa que possui uma carteira de exploração composta por 19 blocos.

ABROLHOS E TARTARUGAS   Continuação...