Basescu, da Romênia, pede ajuda a eleitores para derrotar "golpe"

sábado, 14 de julho de 2012 14:28 BRT
 

ROMÊNIA, 14 Jul (Reuters) - Traian Basescu, presidente da Românica cujo mandato está suspenso, fez um apelo aos eleitores de um dos países mais pobres e corruptos da União Europeia a fim de derrotar os esforços por seu impeachment, convocando neste sábado partidários na cidade de Cluj, na Transilvânia, após o que chamou de "um golpe contra o Estado de Direito".

A União Europeia tem criticado o primeiro ministro esquerdista do país, Victor Ponta, por sua campanha para depor Basescu, seu rival político há anos. A questão deve ser submetida a um referendo nacional no dia 29 de julho.

Basescu, cuja popularidade despencou de 65 por cento há sete anos para cerca de 10 por cento atualmente, encontrou apoio em Cluj, reduto de seu aliado, e ex-primeiro ministro, Emil Boc.

Em muitas placas lia-se: "Quero um Estado europeu liderado pelo Capitão Basescu" --uma referência à carreira de Basescu como capitão da frota comercial durante a era comunista da Romênia, antes da Revolução de 1989 que derrubou o ditador Nicolae Ceausescu.

"Eu vou pedir a todos os romenos, independente de suas opiniões, para vir votar", disse Basescu a uma multidão de cerca de 10 mil pessoas que suportavam o calor de mais de 33 graus Celsius na praça central de Cluj. "Eu estou confiante de que vocês vão dizer não ao abuso, vocês vão dizer não para esse golpe contra o Estado de Direito na Romênia"

A tentativa de impeachment é só o último confronto entre as duas forças políticas dominantes na Romênia --os socialistas de Ponta, herdeiros reformados dos comunistas, e os aliados democrata-liberais de Basescu.

(Reportagem de Radu Marinas)

 
Traian Basescu, presidente da Românica cujo mandato está suspenso, discursa durante comício na cidade de Cluj-Napoca, a 426 km a noroeste de Bucareste. Neste sábado, Basescu fez um apelo aos eleitores de um dos países mais pobres e corruptos da União Europeia a fim de derrotar os esforços por seu impeachment, convocando neste sábado partidários na cidade de Cluj, na Transilvânia, após o que chamou de "um golpe contra o Estado de Direito". 14/07/2012 REUTERS/Radu Sigheti