Energéticas espanholas reforçam luta contra novos impostos

sábado, 21 de julho de 2012 16:32 BRT
 

Por Carlos Ruano e Sarah White

SÃO PAULO, 21 Jul (Reuters) - Os principais grupos de fornecimento de energia da Espanha, Iberdrola, Endesa e Gas Natural, intensificaram uma desesperada campanha contra os novos impostos para o setor, alertando o governo que as reformas poderão atrapalhar seus lucros no país.

As três empresas enviaram uma carta com reivindicações ao primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, pedindo uma reunião urgente, antes das reformas que poderão ser sancionadas no final do mês, segundo uma fonte de uma grande empresa de serviços.

As prestadoras de serviços públicos do país há anos têm cobrado dos clientes menos que o custo de produção da energia, gerando um déficit tarifário de 24 bilhões de euros (29,2 bilhões de dólares) que o governo tem absorvido e que agora espera reduzir, com a cobrança dos impostos para a indústria.

As empresas anunciaram há duas semanas que arrecadariam cerca de 65 bilhões de euros em novos cortes nos gastos e aumentos de impostos, que afetarão os funcionários públicos, mas não deram detalhes sobre de onde virá a economia de 8,6 bilhões de dólares.

Grande parte do déficit seria compensado pelos impostos do setor de energia.

As grandes empresas de energia, consideradas um poderoso lobby na Espanha, têm enfrentado o governo sobre as reformas.

Em uma recente reunião de um grupo de lobby corporativo presidido pelo presidente da Telefónica, Cesar Lierta, o presidente da Iberdrola, Ignácio Sánchez Galán, teve uma discussão 'muito tensa' com o Ministro da Indústria, José Manuel Soria, disse uma fonte do setor, na reunião.

Galán também foi um dos signatários da carta enviada a Rajoy, junto com os presidentes da Gas Natural e da Endesa, Salvador Gabarro e Borja Prado.   Continuação...