Ações europeias caem atingidas por falta de ação do BCE

quinta-feira, 2 de agosto de 2012 13:16 BRT
 

LONDRES, 2 Ago (Reuters) - As ações europeias fecharam o pregão volátil desta quinta-feira em baixa, com o presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, desapontando investidores que esperavam anúncio de ações ousadas desde suas declarações na semana passada de que faria o que fosse preciso para proteger o euro.

Segundo números preliminares, o índice FTSEurofirst 300, que reúne as principais ações europeias, fechou em queda de 1,05 por cento, aos 1.056 pontos.

Draghi afirmou que a autoridade monetária poderá fazer novas compras de títulos quando os governos estiverem prontos para ativar os fundos de resgate da zona do euro nos mercados de títulos com condições exigentes e efetivas.

O presidente do BCE também sugeriu que o presidente do banco central alemão, Jens Weidmann, expressou reservas quanto à compra de títulos, mas acrescentou que ele consideraria outras medidas não convencionais para conter a crise de crédito.

Os investidores, que haviam elevado os mercados antes dos comentários de Draghi, na expectativa de alguma política concreta de apoio, correram para se desfazer de ações, com o principal índice da Bolsa de Madri despencando mais de 5 por cento, e o italiano FTSE MIB caindo 4,6 por cento.

"Draghi se colocou em uma posição difícil de que tinha de fazer anúncios hoje, e não o fez. Houve uma súbita mudança na retórica do 'nós iremos' da semana passada para o 'nós podemos' de hoje", avaliou o estrategista-chefe de mercados da City Index, Joshua Raymond.

"E ainda que ele sugira compras de títulos, tudo o que estaria fazendo é empurrar com a barriga. Parece que o terreno continua sendo preparado para uma ação do BCE, mas essa ação não vai chegar esta semana e deixa um gosto de desapontamento", completou.

O índice do setor bancário da zona do euro, exposto ao desempenho de países altamente endividados da região, foi o que registrou maiores perdas nesta quinta-feira, caindo 6,37 por cento, com os papéis do espanhol Banco Santander perdendo 6,7 por cento.

Outros setores mais sensíveis a crescimento econômico também perderam terreno, com o índice automotivo recuando 2,39 por cento, em meio a preocupações de que, na ausência de medidas ousadas pelo BCE no curto prazo, as economias mais frágeis da zona do euro continuarão a penar.   Continuação...