Sindicalistas e GM continuam negociando sobre linha de produção

sábado, 4 de agosto de 2012 18:02 BRT
 

Por Brad Haynes

SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, 4 Ago (Reuters) - Representantes dos metalúrgicos e da direção da General Motors estavam reunidos por quase 9 horas para tratar sobre a ameaça de fechamento de uma linha de produção da montadora em São José dos Campos (SP), mas ainda não haviam chegado a uma conclusão.

Mais cedo, alguns trabalhadores fizeram uma pequena manifestação fora da reunião, usando bandeiras. O encontro começou às 9h deste sábado e, até o final desta tarde, não havia sido encerrado.

"A nossa esperança agora é a possibilidade de uma intervenção do governo federal" disse o vice presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, Herbert Claros da Silva. "Não pode entregar tantos incentivos e depois deixar que eles demitam milhares de trabalhadores."

A GM, segundo o sindicato, pode demitir 1.500 trabalhadores de uma de suas linhas de produção no complexo da montadora na cidade, no interior de São Paulo.

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, chegou a afirmar na terça-feira que a GM está cumprindo o acordo de não demitir e que possibilitou a redução das alíquotas do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para o setor automotivo e estimular a economia.

Na sexta-feira, diante das reações negativas dos trabalhadores às suas declarações, Mantega defendeu --por meio de sua assessoria de imprensa-- que não iria tolerar demissões nos setores beneficiados pela redução do IPI, mas que mantinha sua avaliação sobre a GM.

Entre outros segmentos da economia beneficiados por redução do imposto estão as indústrias de produtos de linha branca e de móveis .

A GM tem afirmado que tem promovido contratações de trabalhadores em fábricas como São Caetano do Sul (SP), Gravataí (RS) e Joinville (SC).