Juíza russa considera banda punk Pussy Riot culpada

sexta-feira, 17 de agosto de 2012 09:50 BRT
 

MOSCOU, 17 Ago (Reuters) - Uma juíza russa declarou nesta sexta-feira as três mulheres da banda punk Pussy Riot culpadas pela acusação de vandalismo motivado por ódio religioso por fazerem um protesto contra o governo na principal catedral de Moscou.

A juíza Marina Syrova não emitiu imediatamente a sentença, mas os promotores estatais querem uma pena de três anos de cadeia para as três mulheres que invadiram o altar da Catedral Cristo Salvador, em fevereiro, e apresentaram uma "reza punk" pedindo à Virgem Maria para livrar a Rússia do então primeiro-ministro russo, hoje presidente, Vladimir Putin.

Nadezhda Tolokonnikova, de 22 anos, Marina Alyokhina, de 24, e Yekaterina Samutsevich, de 30, disseram que estavam protestando contra as relações próximas entre Putin e a Igreja ortodoxa russa e não tinham a intenção de ofender os fiéis.

As acusadas "Tolokonnikova, Samutsevich and Alyokhina cometeram um ato de vandalismo, uma grave violação da ordem pública, mostrando evidente desrespeito pela sociedade", disse a juíza, alegando que o breve protesto foi baseado em "motivos de ódio religioso e inimizade".

As três jovens mulheres, algemadas, permaneciam sentadas em silêncio em uma cela de vidro no tribunal e de vez em quando sorriam ou davam risadas uma para a outra enquanto a autoridade lia o veredicto.

Centenas de pessoas do lado de fora cantavam "Liberdade" e "Rússia sem Putin!", e a polícia deteve diversos ativistas, incluindo líderes da oposição.

"Nosso aprisionamento é um claro e distinto sinal de que a liberdade do país inteiro está sendo tirada", disse Tolokonnikova em uma carta escrita na prisão e colocada na Internet por seu advogado Mark Feigin antes do veredicto desta sexta-feira.

Opositores de Putin, que começou um mandato presidencial de seis anos em maio, retratam o julgamento como parte de uma repressão mais ampla do ex-espião da KGB para destruir seus movimentos de protesto.

(Reportagem de Steve Gutterman)

 
Integrantes da banda feminina de punk “Pussy Riot” (da esq. para dir.) Nadezhda Tolokonnikova, Maria Alyokhina e Yekaterina Samutsevich sentam-se em cela de vidro durante audiência em corte de Moscou. Uma juíza russa declarou as três mulheres da banda culpadas pela acusação de vandalismo motivado por ódio religioso. 17/08/2012 REUTERS/Sergei Karpukhin