Relator no STF pede condenação de ex-dirigentes do Banco Rural

segunda-feira, 3 de setembro de 2012 16:24 BRT
 

BRASÍLIA, 3 Set (Reuters) - O relator da ação penal do chamado mensalão no Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, votou nesta segunda-feira pela condenação por gestão fraudulenta de instituição financeira de quatro ex-dirigentes do Banco Rural, responsável por empréstimos ao PT e agências de Marcos Valério que, segundo a denúncia, alimentaram o suposto esquema de compra de apoio político.

Barbosa concordou com a denúncia do Ministério Público Federal ao afirmar que Kátia Rabello, José Roberto Salgado, Ayanna Tenório e Vinícius Samarane agiam "em atuação orquestrada, numa unidade de desígnios e divisão de tarefas típicos de um grupo criminoso organizado" ao serem responsáveis por empréstimos "fictícios" ao PT e às agências de Valério.

O relator também deu indicações de que condenarão os ex-dirigentes por lavagem de dinheiro, acusação que será analisada posteriormente pela Corte.

Os advogados da defesa dos réus anunciaram que irão encaminhar à Corte um memorial rebatendo o que chamaram de "equívocos" de Barbosa.

"Não se sustenta, diante do vasto material comprobatório, a alegação de que os empréstimos em questão não seriam simulados", disse o relator.

O Banco Rural concedeu empréstimos de 3 milhões de reais ao PT e 29 milhões às agências de publicidade de Valério, principal operador do suposto esquema de desvio de recursos para compra de apoio político.

Segundo o relator, os empréstimos "fraudulentos" eram renovados com frequência para "não chamar a atenção" e só foram lançados e começaram a ser cobrados após "o escândalo se tornar público pela imprensa", em 2005.

O ministro relator disse ainda que os réus se utilizaram de recursos ilícitos para encobrir o caráter fraudulento das operações, como as sucessivas renovações dos empréstimos e a ocultação do nome dos sacadores do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) e do Banco Central.

Barbosa iniciou a leitura do voto na quinta-feira. O próximo ministro a votar será o revisor do processo, Ricardo Lewandowski. Há a expectativa de que ele termine seu voto ainda nesta segunda.   Continuação...