Greve ameaça Hyundai nos EUA, fábrica no Brasil abre em novembro

quarta-feira, 5 de setembro de 2012 07:20 BRT
 

SEUL/DETROIT, 5 Set (Reuters) - A greve na Coreia do Sul deixou a Hyundai sem veículos para vender no importante mercado dos Estados Unidos justamente quando concorrentes como a Toyota estão recuperando o espaço que haviam perdido.

As disputas trabalhistas já encerradas nas fábricas sul-coreanas --que respondem por quase metade dos carros que a montadora vende nos EUA-- ameaçaram esfriar o crescimento da Hyundai e levaram a questionamentos sobre se houve erros na estratégia de expansão da companhia, que em novembro abrirá uma fábrica no Brasil.

A sul-coreana foi a única montadora a ganhar mercado nos EUA durante a crise de 2009, mas sua participação caiu para 4,8 por cento em agosto, contra 5,5 por cento um ano antes e 5,4 por cento em julho.

"Ganhamos toda essa força e, se perdermos parte desse mercado, agora será muito mais difícil recuperar", disse o presidente da Lester Glenn Auto Group e conselheiro da montadora nos EUA, Adam Kraushaar.

Em apenas 21 dias, a Hyundai passou a ter o menor estoque de veículos nos EUA entre as grandes montadoras, o equivalente à metade da Toyota e 25 por cento da General Motors, segundo a própria fabricante, citando dados da Automotive News.

As vendas totais da Hyundai caíram 4,6 por cento em agosto ante o mesmo período do ano passado, a primeira queda em mais de três anos.

A Hyundai abriu este ano sua terceira fábrica na China e iniciará em novembro as operações na unidade brasileira. A montadora não planeja abrir outras fábricas.

"Queremos voltar ao básico", disse o porta-voz Brian Sir à Reuters. "Abrir mais fábricas para aumentar as vendas não é nosso maior objetivo. O maior objetivo é nos tornar a marca de preferência. Por isso, não temos nenhum plano de abrir nova fábrica nos Estados Unidos".

(Por Hyunjoo Jin e Ben Klayman)