Maioria do STF condena dois ex-dirigentes do Banco Rural

quarta-feira, 5 de setembro de 2012 21:10 BRT
 

Por Ana Flor

BRASÍLIA, 5 Set (Reuters) - Por maioria de votos, os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiram nesta quarta-feira condenar dois ex-dirigentes do Banco Rural, inclusive a herdeira de seu fundador, Kátia Rabello, por gestão fraudulenta de intituição financeira na concessão de empréstimos ao PT e agências do publicitário Marcos Valério.

Kátia e José Roberto Salgado, ex-vice-presidente do banco, foram considerados culpados pela unanimidade dos ministros votantes até o momento, que concordaram com a denúncia do Ministério Público Federal (MPF) de que os empréstimos de 33 milhões de reais foram fraudulentos e "fictícios".

"É impossível atribuí-las (as irregularidades) à inépcia ou negligência da instituição financeira", disse Rosa Weber, que chamou as transações de "simulacros fraudulentos".

A Corte define na quinta-feira a situação de dois outros dirigentes do banco à época, Vinicius Samarane e Ayanna Tenório.

Samarane já conta com cinco votos pela condenação e um único pela absolvição, feito pelo revisor. Ricardo Lewandowski considerou que ele era "um mero empregado" do banco e não teve responsabilidades na concessão e renovação dos empréstimos.

"(Ele) era mero empregado do Banco Rural, ainda que com título pomposo de superintendente", disse o revisor.

Os demais ministros que já votaram aceitaram a argumentação do relator, Joaquim Barbosa, de que Samarane ocultou em relatórios internos o risco dos empréstimos e realizava, como afirmou Luiz Fux, "maquiagem nas contabilidades".

"Eram empréstimos materialmente verdadeiros, mas ideologicamente falsos", disse Fux.   Continuação...