Regime automotivo exigirá economia de consumo de ao menos 11%--fontes

segunda-feira, 10 de setembro de 2012 16:23 BRT
 

Por Jeferson Ribeiro

BRASÍLIA, 10 Set (Reuters) - O novo regime automotivo de 2013 a 2017 deve exigir que as montadoras reduzam o consumo de combustível em 22 por cento em seus veículos para conseguir benefício tributário além dos 30 pontos percentuais do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), disseram à Reuters duas fontes do governo.

Uma das fontes disse que as montadoras instaladas no Brasil e que aderirem à nova política automotiva terão que reduzir o consumo dos veículos produzidos em solo nacional em 11 por cento para serem beneficiadas com a redução de 30 pontos do IPI.

Segundo essa mesma fonte, a montadora que reduzir o consumo de combustível dos modelos produzidos no Brasil em 22 por cento conseguirá uma redução adicional de 2 pontos percentuais de IPI.

Um representante da indústria automotiva confirmou que as discussões com o governo "caminham nessa direção, mas há muitos pontos a acertar".

Uma outra fonte do Executivo, também sob condição de anonimato, confirmou à Reuters que o decreto regulamentando o novo regime automotivo estipulará metas de redução de consumo.

Na prática, isso levará a outro objetivo que o governo quer que as montadoras cumpram: a redução da emissão de gases poluentes dos atuais 171 gramas de gás carbônico (CO2) por quilômetro, em média, para cerca de 130 gramas por quilômetro em 2017.

O governo fez uma série de reuniões com as montadoras desde abril, quando anunciou uma nova política automotiva para os próximos cinco anos, para regulamentar as metas que devem ser atingidas pelas fabricantes.

Ainda nesta semana outros encontros devem ocorrer, incluindo com a entidade que reúne as montadoras, Anfavea. Mas o texto do decreto está finalizado e deve ser divulgado pelo governo nas próximas semanas.   Continuação...