September 15, 2012 / 12:31 AM / 5 years ago

Fúria contra EUA se espalha pelo Oriente Médio por filme

3 Min, DE LEITURA

Manifestantes na Tunísia queimam bandeira norte-americana em protesto do lado de for a da embaixada dos EUA, em Túnis. A fúria sobre um filme que insulta o profeta Maomé se espalhou pelo Oriente Médio, com manifestantes atacando embaixadas dos EUA e queimando bandeiras norte-americanas. 12/09/2012Zoubeir Souissi

Por Ulf Laessing e Tarek Amara

CARTUM/TÚNIS, 14 Set (Reuters) - Os protestos contra um filme que insulta o profeta Maomé se espalharam pelo Oriente Médio depois das preces islâmicas de sexta-feira, com novos ataques a instalações diplomáticas dos EUA, agora sob segurança reforçada.

Pelo menos sete pessoas morreram durante confrontos entre policiais e manifestantes na Tunísia, Sudão, Egito e Líbano. Houve novos protestos também no Iêmen e outros países, três dias depois da morte de quatro funcionários diplomáticos norte-americanos num ataque ao consulado dos EUA em Benghazi (Líbia).

No Afeganistão, um ataque do Taliban contra um quartel dos EUA matou dois norte-americanos, e também pode ter relação com os protestos contra o obscuro filme semiamador que foi produzido nos EUA e tem tido trechos divulgados pela Internet nas últimas semanas.

Em cerimônia para receber os corpos dos mortos de Benghazi - entre eles o embaixador dos EUA na Líbia, Christopher Stevens -, o presidente Barack Obama prometeu "ficar firme" contra a violência e reforçar a proteção a funcionários diplomáticos no exterior.

"Os Estados Unidos nunca vão recuar perante o mundo", disse Obama, que é candidato à reeleição.

Pelo terceiro dia consecutivo, imagens de missões diplomáticas dos EUA em chamas dominaram o noticiário. Praticamente não havia funcionários nelas, já que a sexta-feira é parte do fim de semana nos países islâmicos.

Em Túnis, pelo menos duas pessoas morreram e 29 ficaram feridas, segundo o governo. O presidente tunisiano, Moncef Marzouki, condenou o "ataque à embaixada de uma nação amistosa".

Em Cartum, capital do Sudão, três pessoas morreram nos protestos, de acordo com a rádio estatal. A embaixada alemã também foi invadida, sem que a polícia interviesse. Houve mortes também no Cairo e no Líbano.

Em Benghazi, militantes islâmicos dispararam contra aviões teleguiados mobilizados pelos EUA. No Iêmen, a polícia enfrentou pelo segundo dia consecutivo jovens que tentavam chegar à embaixada norte-americana. Cerca de 50 marines dos EUA desembarcaram no país, o mais pobre da Península Arábica. Marines também reforçam a segurança da embaixada dos EUA no Sudão.

O presidente do Egito, Mohamed Mursi, um político de origem islâmica, recriminou os manifestantes, que pelo terceiro dia apedrejaram e cercaram a sede diplomática dos EUA no Cairo.

"Fomos atacados por Obama, pelo governo dele, e pelos cristãos coptas (egípcios) que vivem no exterior", gritava no Cairo um homem barbado.

O envolvimento de um influente ativista egípcio radicado nos EUA na promoção do filme irritou muitos muçulmanos e gerou preocupação entre líderes cristãos do Egito, que condenaram o filme.

Nos trechos divulgados pela Internet, Maomé é retratado como mulherengo, homossexual e abusador de crianças. Muitos muçulmanos consideram que qualquer representação do profeta é uma blasfêmia.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below