Presidente eleito do México quer ampliar, não limitar, laços comerciais com Brasil

quinta-feira, 20 de setembro de 2012 19:17 BRT
 

BRASÍLIA, 20 Set (Reuters) - O presidente eleito do México, Enrique Peña Nieto, afirmou nesta quinta-feira, após reunião com a presidente Dilma Rousseff, que quer ampliar e não delimitar as relações comerciais com o Brasil.

Segundo Peña Nieto, o acordo comercial automotivo entre os dois países não foi especificamente tratado na reunião, mas o presidente eleito disse acreditar numa maior abertura nas relações comerciais entre os dois países.

"Creio que a melhor forma de poder dar a melhor solução ao tema é gerando maiores incentivos, sobretudo para este mercado ou esta relação de livre mercado", disse ele a jornalistas.

De acordo com o presidente eleito, a questão poderia ser resolvida também "buscando um maior equilíbrio na balança comercial, encontrando oportunidades para que a produção do Brasil também tenha presença no México".

"Essa deve ser a perspectiva: mais que delimitá-la, ampliar a relacão (comercial)", acrescentou.

Uma fonte do governo mexicano disse à Reuters entender que, embora não tenha havido um pedido formal, haveria interesse do Brasil em elevar a cota de importação de veículos estabelecida em um acordo automotivo entre os dois países, que foi renegociado em março para limitar as crescentes compras brasileiras junto a seu parceiro.

Uma autoridade brasileira, que pediu anonimato, disse que a faixa de elevação da cota de importação poderia estar entre 300 e 500 milhões de dólares. Uma outra fonte do governo brasileiro afirmou que "neste momento não há negociações".

Algumas montadoras brasileiras pressionam nesse sentido, uma vez que estão prestes a exceder a cota de importação livre de impostos para o primeiro ano, que vai de março passado a abril de 2013.

O presidente eleito ainda convidou Dilma para a cerimônia em que tomará posse, em 1o de dezembro.

(Maria Carolina Marcello)