KIA mantém estudo para fábrica no Brasil, mas critica regime

terça-feira, 23 de outubro de 2012 13:20 BRST
 

SÃO PAULO, 23 Out (Reuters) - A KIA Motors mantém planos de construir uma fábrica no Brasil, mas as intenções foram atingidas pela aprovação do novo regime automotivo brasileiro pelo governo, que impôs quotas de importação bem abaixo do volume atualmente vendido pela fabricante sul-coreana no país.

A marca, presente no Brasil há 20 anos, atua com importação no país e vendeu mais de 77 mil automóveis em 2011. Para 2013, a quota de importadores definida pelo regime nacional é de 4.800 unidades sem incidência de carga de 30 pontos percentuais de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI).

"O Brasil precisa de um regime, mas não concordamos com a quota e os 30 pontos de IPI são absolutamente exagerados", disse o presidente da Kia no Brasil, José Luiz Gandini.

"O justo seria levar em conta o histórico (de importação de cada marca), distribuindo quotas proporcionais a cada empresa", afirmou, acrescentando que a média de emplacamentos da Kia no Brasil nos últimos três anos foi de 52 mil carros.

Segundo ele, para 2013, a expectativa da Kia no Brasil é manter os cerca de 50 mil carros deste ano. A empresa, em 2011, havia traçado meta de vendas de 100 mil veículos este ano, antes do governo elevar impostos sobre veículos importados.

Gandini afirmou não ser estratégia da Kia produzir veículos na recém-inaugurada fábrica da Hyundai em Piracicaba (SP), que integra o mesmo grupo sul-coreano.

"Eles não querem fazer algo pequeno (...) Eles têm convicção que o Brasil é um país onde eles precisam estar, porque está caminhando para se tornar o terceiro maior mercado interno do mundo", disse Gandini.

Ele afirmou ainda que, após o aumento da tributação, a Kia no Brasil reduziu margens e cortou verbas publicitárias.

O executivo disse que não pretende tirar nenhum modelo do mercado brasileiro, mas, se a Kia optar por não construir uma fábrica, a distribuição no país pode ser forçada a ter o mix de produtos alterado, com foco em modelos mais caros, voltados a um público menos sensível a preços.   Continuação...

 
Robôs constroem estruturas de carros da KIA em fábrica em Zilina, Eslováquia. A KIA Motors mantém planos de construir uma fábrica no Brasil, mas as intenções foram atingidas pela aprovação do novo regime automotivo brasileiro pelo governo, que impôs quotas de importação bem abaixo do volume atualmente vendido pela fabricante sul-coreana no país. 03/10/2012 REUTERS/Petr Josek