17 de Dezembro de 2012 / às 21:58 / em 5 anos

Polêmica cerca lançamento de filme sobre Bin Laden

Premiada cineasta Kathryn Bigelow aparece em cerimônia de premiação em Hollywood. Bigelow poderia ter feito uma versão hollywoodiana cheia de tiros e testosterona para narrar a história da captura e morte de Osama bin Laden. 01/12/2012 REUTERS/Fred Prouser

Por Christine Kearney

NOVA YORK, 17 Dez (Reuters) - A premiada cineasta Kathryn Bigelow poderia ter feito uma versão hollywoodiana cheia de tiros e testosterona para narrar a história da captura e morte de Osama bin Laden.

Em vez disso, ela e o roteirista Mark Boak transformaram “A Hora Mais Escura” em um complexo olhar sobre os dez anos de caçada por Bin Laden, o que inclui uma honesta representação das torturas cometidas pelos EUA e detalhes antes inéditos da missão.

Quando o filme tiver pré-estreia em circuito limitado nos EUA, na quarta-feira, Bigelow e Boal querem que as plateias deixem de lado as polêmicas dos últimos meses, incluindo as alegações, negadas por eles, de que os realizadores tiveram acesso a informações sigilosas.

“Trata-se de um olhar dentro da comunidade de inteligência. A força, coragem, dedicação, tenacidade e vulnerabilidade dessas mulheres e homens”, disse Bigelow, de 61 anos, em entrevista com Boal à Reuters.

Bigelow ganhou um Oscar em 2010 por “Guerra ao Terror”, sobre a guerra do Iraque. Ela diz que seu novo filme coloca o público no centro da caçada a Bin Laden, dando-lhe uma noção a respeito da comunidade de inteligência dos EUA e de como seus métodos mudaram nos anos que se seguiram aos atentados de 11 de setembro de 2001, cometidos pela rede Al Qaeda, fundada por Bin Laden.

“É um tópico polêmico, é um tópico que foi infinitamente politizado. O filme foi erroneamente caracterizado durante um ano e meio, e adoraríamos se as pessoas fossem vê-lo e julgá-lo por si mesmas”, disse Boal.

Esse filme de ação desponta como um favorito ao Oscar, após receber vários prêmios e indicações de entidades de Hollywood.

Quando Bin Laden foi morto por militares da Marinha dos EUA numa casa do Paquistão, em maio de 2011, Bigelow estava a poucos meses de começar a rodar um filme sobre a busca por ele nas montanhas de Tora Bora, no Afeganistão, durante a invasão norte-americana de uma década antes.

Ela rapidamente reviu o projeto.

“A Hora Mais Escura” começa logo depois do 11 de Setembro, com cenas fortes dos interrogatórios, incluindo simulações de afogamento, humilhações sexuais e a colocação à força de um preso dentro de uma caixa.

A protagonista é Jessica Chastain, no papel de uma agente da CIA que usa informações obtidas graças a interrogatórios brutais, vigilância eletrônica e espionagem tradicional.

As cenas iniciais de tortura, que no filme resultam em informações corretas ou falsas por parte dos prisioneiros, geraram um inflamado debate nos EUA.

Bigelow e Boal disseram que o filme não se propõe a julgar - de forma positiva ou negativa - esses interrogatórios. “O que estamos tentando mostrar é que aconteceu. O que eu acho que não é controverso”, disse Boal.

“É obviamente um debate em curso. É um debate dentro da comunidade de pessoas que são especialistas, e tenho certeza de que é um debate que vai continuar por muitos anos”, acrescentou.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below