Exposição de David Bowie tem recorde de bilheteria

quarta-feira, 20 de março de 2013 14:47 BRT
 

Por Mike Collett-White

LONDRES, 20 Mar (Reuters) - Ziggy tocava guitarra. Mas como uma exposição dedicada à longa e inovadora carreira do cantor David Bowie deixa claro, ele também compunha, checava cada detalhe de seu figurino excêntrico, aparecia em filmes e ajudava a criar os cenários de seus palcos.

"David Bowie is", aberta de 23 de março até 11 de agosto, quebrou os recordes de bilheteria no Museu Victoria & Albert de Londres, com 50.000 ingressos vendidos com antecedência.

Os organizadores na pré-exibição para a imprensa nesta quarta-feira salientaram que mais ingressos estavam disponíveis e que a demanda destaca o impacto duradouro de Bowie, de 66 anos, na música, moda, vídeo e além.

Também coincide com o lançamento apenas uma semana atrás do novo disco de Bowie, "The Next Day", seu primeiro material novo em uma década. A gravação ficou em primeiro lugar na lista de álbuns britânicos no final de semana, marcando sua volta ao topo depois de 20 anos.

"Suas inovações radicais na música, teatro, moda e estilo ainda ressoam hoje no design e na cultura visual e ele continua inspirando artistas e estilistas em todo o mundo", disse Martin Roth, diretor do V&A.

A exibição mostra mais de 300 objetos do Arquivo de David Bowie, com o lugar de destaque ocupado pelos trajes que permitiram que o cantor adotasse personas alternativas e criasse uma aura de mistério e invenção.

Entre os trajes reconhecíveis está um macacão listrado do estilista Kansai Yamamoto para a turnê Aladdin Sane em 1973 e a fantasia de Pierrô feita por Natasha Korniloff, que aparece no clipe musical "Ashes do Ashes".

Entre os trajes exibidos da fase "Ziggy Stardust" de Bowie está o macacão azul, dourado e vermelho feito por Freddie Burretti que marcou uma virada na carreira de Bowie.

As exibições são acompanhadas por uma trilha sonora impressionante, que inclui sucessos como "Space Oddity", "Changes" e "Under Pressure", que ele lançou com o Queen em 1981.

Na verdade, o que falta de "David Bowie is" é o próprio. Se ele aparecer, será provavelmente, já que Bowie vem evitando os holofotes por grande parte da última década.