Obama intermedeia reaproximação entre Israel e Turquia

sexta-feira, 22 de março de 2013 15:37 BRT
 

Por Jeffrey Heller

JERUSALÉM, 22 Mar (Reuters) - Israel se desculpou com a Turquia nesta sexta-feira por ter matado nove cidadãos turcos em um ataque naval em 2010 contra uma flotilha que seguia para Gaza, e os dois aliados dos Estados Unidos concordaram em normalizar as relações, em uma surpreendente reviravolta anunciada pelo presidente norte-americano, Barack Obama.

A reaproximação pode ajudar a coordenação regional a conter o alastramento da guerra civil síria e amenizar o isolamento diplomático de Israel no Oriente Médio, num momento em que o país enfrenta desafios impostos pelo programa nuclear do Irã.

Em um comunicado divulgado pela Casa Branca poucos minutos antes de Obama terminar uma visita a Israel, o presidente disse que o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, e seu homólogo turco, Tayyip Erdogan, tinham falado por telefone.

"Os Estados Unidos valorizam profundamente nossas parcerias próximas com a Turquia e Israel, e damos enorme importância à restauração das relações positivas entre eles a fim de avançar na paz e segurança regionais", disse Obama.

A primeira conversa entre os dois líderes desde 2011, quando Netanyahu telefonou para oferecer ajuda depois que um terremoto atingiu a Turquia, deu a Obama um triunfo diplomático em uma visita a Israel e aos territórios palestinos, na qual não ofereceu nenhum plano novo para reviver as negociações de paz congeladas por quase três anos.

O telefonema de 30 minutos foi feito em um trailer na pista do aeroporto de Tel Aviv, onde Obama e Netanyahu se reuniram antes de o presidente subir a bordo do Air Force One para a Jordânia, disseram autoridades norte-americanas.

Israel cedeu a uma exigência antiga de Ancara, que já foi um parceiro estratégico próximo, de se desculpar oficialmente pelas mortes a bordo da embarcação turca Mavi Marmara, abordada por marines israelenses que interceptaram a flotilha que desafiava um bloqueio naval israelense à Faixa de Gaza administrada por palestinos.

"O primeiro-ministro Netanyahu expressou suas desculpas ao povo turco por um erro que pode ter levado a muitas mortes, e concordou em finalizar o acordo para indenização", disse um comunicado oficial israelense.   Continuação...