26 de Março de 2013 / às 01:32 / 4 anos atrás

Em clima de campanha, Aécio recebe apoio de Alckmin para presidir PSDB

SÃO PAULO, 25 Mar (Reuters) - Em clima de campanha para presidente da República, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) participou de um congresso do diretório paulista do PSDB nesta segunda-feira, foi aclamado por integrantes da legenda como candidato na eleição do ano que vem e recebeu apoio do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, para presidir o partido a partir de maio.

A escolha de Aécio para o comando do PSDB seria um passo a mais em sua caminhada para se tornar o candidato do partido na eleição presidencial de 2014 e tentar levar os tucanos de volta ao Palácio do Planalto, de onde saíram em 2003 com a chegada ao poder do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do PT.

“Que você, Aécio, assuma a presidência do PSDB, percorra o Brasil, fale com o povo brasileiro e una o partido”, disse Alckmin ao lado do senador mineiro, do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e de lideranças tucanas do Estado de São Paulo.

Aécio foi recebido aos gritos de “presidente” e com faixas de “O PSDB de São Paulo está com Aécio”. Ele foi aplaudido várias vezes durante seu discurso, recheado de críticas ao governo da presidente Dilma Rousseff, e aproveitou para cumprimentar e tirar foto com militantes da legenda.

O senador, no entanto, evitou falar explicitamente em candidatura presidencial e disse que o partido tem de se concentrar em apresentar uma alternativa de governo aos eleitores.

“Não é hora ainda de antecipar o debate eleitoral. Quem fez isso foi o governo”, disse o senador a jornalistas. “O PSDB não tem sequer o direito de se negar a apresentar ao Brasil uma alternativa ao modelo de governo que está aí.”

O PSDB paulista era uma das principais barreiras às pretensões de Aécio de ser o candidato tucano nas eleições presidenciais no ano que vem.

Reportagens veiculadas recentemente pela imprensa afirmavam que Alckmin e o ex-governador José Serra, derrotado pelo PT em duas eleições presidenciais, seriam contra a chegada do mineiro à presidência do partido, apontada como estratégica para Aécio se tornar candidato ao Planalto em 2014.

Serra não compareceu ao evento do diretório paulista da legenda nesta segunda-feira, pois estava em viagem ao exterior.

Fernando Henrique explicou a ausência do ex-governador, afirmando que ele viajou aos Estados Unidos para participar de uma homenagem a um acadêmico próximo à sigla. O ex-presidente disse que se sentia representado por Serra nesta homenagem. “E espero que ele se sinta representado por mim aqui”, disse.

Aliados de Serra teriam exigido, segundo reportagens recentes, que ele assumisse a presidência da sigla, e o ex-governador teria ameaçado deixar o partido, do qual é fundador, caso isso não acontecesse. As informações foram posteriormente negadas pelo tucano.

“BANHO DE POVO”

Em seus discursos, lideranças tucanas como Fernando Henrique, o senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), alinhado com Serra dentro do partido, e o próprio Aécio criticaram as gestões do PT e o governo Dilma.

O ex-presidente criticou o desempenho econômico do país durante o atual governo e defendeu que o PSDB precisa de um “banho de povo”.

“O PSDB sabe governar”, disse Fernando Henrique. “Essa gente (PT) não sabe governar o país”, completou.

Já Aécio aproveitou para fazer uma defesa do legado deixado pelo governo Fernando Henrique (1995-2002) e aproveitou para chamar os adversários para o debate.

“O PSDB de Geraldo Alckmin e de Fernando Henrique é o PSDB que vai se apresentar com clareza... Não temo o debate em qualquer campo”, disse Aécio.

“O maior programa de distribuição de renda da nossa história não foi o Bolsa Família, foi o Plano Real”, acrescentou, contrapondo o programa social que é o carro-chefe do governo petista com o de estabilização econômica idealizado por Fernando Henrique quando era ministro da Fazenda.

“O PT abriu mão de um projeto de país transformador e se contenta hoje exclusivamente em ter um projeto de poder”, criticou o senador, falando a jornalistas após seu discurso.

Segundo pesquisa Datafolha divulgada na sexta-feira, Aécio aparece na terceira colocação na preferência do eleitorado a cerca de um ano e meio da eleição presidencial.

Ele está atrás de Dilma, que lidera com folga, e da ex-senadora Marina Silva, que busca criar um novo partido, Rede Sustentabilidade, a tempo de disputar as eleições.

Reportagem de Eduardo Simões

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below