Recall da Hyundai pode ser ainda maior; levanta alerta sobre qualidade

quinta-feira, 4 de abril de 2013 08:20 BRT
 

Por Hyunjoo Jin

SEUL, 4 Abr (Reuters) - A sul-coreana Hyundai e sua afiliada Kia farão uma "ação global" para consertar uma falha em dispositivo ligado à luz de freio, após anunciarem que pretendiam fazer um recall de quase 1,9 milhão de veículos nos Estados Unidos.

A medida indica que a quinta maior montadora do mundo pode acabar fazendo um recall ainda maior do que esse número, o recorde da Hyundai nos EUA, além de ser um importante alerta de que padrões de qualidade podem ter sido sacrificados em favor de um crescimento rápido.

O presidente do conselho da companhia, Chung Mong-koo, tem destacado que a qualidade deve vir em primeiro lugar e, recentemente, diminuiu o ritmo de expansão da capacidade para favorecer o controle mais rigoroso de qualidade, mas analistas dizem que a mudança de direção veio tarde demais.

"A Hyundai construiu fábricas muito rápido em todo o mundo até poucos anos atrás, mas a sua melhoria de qualidade não conseguiu acompanhar o rápido crescimento de volume", disse o professor do Departamento de Engenharia Automotiva da Daelim University College, Kim Phill-soo, em Seul.

Um executivo da Hyundai disse que a empresa começou a ficar em alerta depois que a montadora caiu nos rankings de qualidade da indústria nos últimos anos.

No ano passado, a Hyundai caiu para 18o em uma importante pesquisa de qualidade da JD Power and Associates, comparado à 11a posição em 2011.

"Parte da razão (para a queda) é que a Hyundai tem expandido rapidamente em novos segmentos e alguns dos veículos mais novos não tiveram uma performance tão boa como os veículos originais, como o Sonata", disse o vice-presidente da JD Power and Associates, Dave Sargent, em entrevista por email à Reuters, antes do anúncio de recall.

A Hyundai vai realizar o recall, uma campanha de serviço ou outras medidas corretivas em todos os países onde os veículos equipados com o dispositivo de luz de freio em questão foram vendidos, disse a empresa em um comunicado nesta quinta-feira.