Grupo de direitos humanos diz que Barein prendeu 20 ativistas antes de F1

quarta-feira, 10 de abril de 2013 13:45 BRT
 

Por Mahmoud Habboush

DUBAI, 10 Abr (Reuters) - A Human Rights Watch disse nesta quarta-feira que a polícia prendeu 20 ativistas da oposição em cidades próximas ao circuito de Fórmula 1 do Barein, em um sinal de crescente tensão política antes do Grande Prêmio, em 21 de abril.

O governo do Barein negou que qualquer prisão tenha sido feita.

O Estado do Golfo Árabe, sede da Quinta Frota da Marinha dos EUA, foi atingido por uma série de distúrbios desde que protestos pró-democracia irromperam no início de 2011, colocando-o na linha de frente da luta em toda a região entre os xiitas do Irã e os sunita de Estados árabes, como a Arábia Saudita.

Assistidos por milhões de pessoas ao redor do mundo, o GP de F1 é o maior evento esportivo organizado pelo país aliado dos EUA, e o governo espera por uma grande presença de espectadores este ano, apesar dos protestos nas ruas.

Um comunicado da HRW disse que as detenções foram feitas sem um mandado e com a aparente intenção de evitar uma repetição dos protestos realizados durante a corrida do ano passado, que aconteceu em meio a um cenário de pneus em chamas e policiais disparando gás lacrimogêneo contra manifestantes xiitas munidos de bombas de gasolina em aldeias muçulmanas.

Mas o ministro da Informação, Sameera Rajab, disse à Reuters: "Nós desacreditamos qualquer notícia sobre detenções nos últimos dias ou até meses".

Ninguém poderia ser preso sem um mandado, disse ele.

"Isso não acontece no Barein. Se houver qualquer ação contra a paz e a segurança, deve ser tratada de acordo com a lei".