Mina de carvão da Vale em Moçambique é bloqueada por manifestantes

quarta-feira, 17 de abril de 2013 12:25 BRT
 

MAPUTO, 17 Abr (Reuters) - Centenas de manifestantes bloquearam a entrada da maior mina de carvão da Vale em Moçambique nesta quarta-feira, afirmando que a gigante do minério não lhes pagou uma compensação adequada para realocá-los, há cinco anos.

A Vale disse que o protesto não afetou a produção, mas a manifestação ressaltou um problema persistente da empresa de mineração em relação aos moçambicanos pobres, irritados com o que segundo eles são táticas para obrigá-los a se mudar a fim de explorar os depósitos de carvão.

"Todo o acesso da companhia foi bloqueado. Os trabalhadores tiveram que esgueirar-se por saídas menores", disse por telefone um trabalhador da Vale que pediu para não ser identificado.

O protesto, que começou na terça-feira, eclodiu após mais de um ano de negociações entre a empresa e os manifestantes, que foram reassentados em 2008 para dar espaço para a mina de carvão de Moatize, no noroeste do país africano.

Em janeiro de 2010, cerca de 700 famílias realocadas para cerca de 60 km de onde está localizada Moatize realizaram um protesto sob alegações de falta de água, energia e terras férteis para agricultura em sua área de reassentamento.

A Vale disse que realizou as relocações de forma justa e equitativa.

A estatal brasileira e a gigante global da mineração, Rio Tinto, realizaram fortes investimentos na região de Moatize, atraídos pela estimativa de que haveria 23 milhões de toneladas de carvão no local.

(Reportagem de Marina Lopes)